01 março, 2010

ELEIÇÃO DE CONSELHO TEVE EXPRESSIVA PARTICIPAÇÃO

No último dia 20, houve eleição com voto direto, e sem obrigatoriedade, para conselheiros tutelar na cidade de Poá. A expressiva participação popular no pleito deve servir de exemplo para que todos os conselhos locais tenham o mesmo sistema de votação.

De acordo com a contagem oficial, 4.094 eleitores participaram do processo e puderem escolher entre os 33 candidatos. Foram eleitos em 1º lugar, Sonia Maria Barco da Silva, com 388 votos; 2º Claudete Luiza dos Santos, 341 votos; 3º Augusto Donizete Barbosa, 258 votos; 4º Clayton Elias Belchior, 251 votos e 5º Raimunda Ivanilda Silva dos Santos, 197 votos. O suplentes serão José Cano Heredia Neto, Márcio da Silva Jair, Marlene Aparecida Requim, Patrícia Pereira de Lima e Danilo Ferreira Damasceno.

Em janeiro deste ano também já houvera eleição direta para o Conselho da Saúde, processo no qual compareceram quase 500 pessoas.

Em um país no qual há pouca participação popular em decisões públicas, é exemplar essas primeiras eleições diretas. Quanto mais houver esse tipo de evento, assim como audiências públicas, mais a população se acostumará a opinar sobre assuntos vitais da cidadania.

Para que haja popular, é necessário oportunidades. O primeiro passo foi dado e a expectativa é de aumento na quantidade de pessoas participantes.

Diante disso, é importante que os poderes legislativo e executivo movam-se no sentido de alterar leis, se necessário, para que todos os conselhos no município possam ter eleições diretas, o meio mais transparente de eleição.

Por Leandro de Jesus

16 fevereiro, 2010

EDUARDÃO E ROBERTO MARQUES CONDENADOS PELO TCE

Os ex-prefeitos de Poá, Eduardão (DEM) e Roberto Marques (PTB), foram condenados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/SP) a pagar multa individual de R$ 16.420 pela existência de diversas irregularidades em aditivos no contrato para fornecimento de cestas básicas realizado com a empresa Supermercado Estrela de Ferraz.

A aquisição das cestas era para fornecimento aos funcionários da administração. Os aditivos foram efetivados entre os anos de 2003 a 2007. Entre as várias irregularidades apontadas no relatório do Conselheiro Eduardo Bittencourt Carvalho estão a correção do preço das cestas muito acima da variação no período, aditivos para acréscimo no fornecimento ou sem a devida autorização, publicações fora do prazo e contrato prorrogado por mais de 60 meses, medidas que contrariam a Lei Complementar 709/93, que regula as contas da administração pública.

A defesa de ambos alegou entre outros argumentos que a elevação do preço se devia a motivos sazonais e que não houvera tempo suficiente para realizar nova licitação, por isso a prorrogação que superou o limite legal de 60 meses. Para as áreas técnicas do tribunal, a defesa milita "em desfavor da Prefeitura que, ciente da impossibilidade de dilação do prazo de vigência contratual após sessenta meses, deveria ter mobilizado esforços no sentido de providenciar certame em tempo hábil, o que não
ocorreu". A variação do clima também não foi justificativa para alteração do preço, de acordo com o tribunal.

No processo também foi possível apurar que tais atitudes ferem os princípios da eficiência e moralidade estabelecidos pelo caput do artigo 37, da Carta Magna, bem como pelo artigo 3º, da Lei Federal nº 8.666/93.

O tribunal concedeu ao atual prefeito, Testinha (PDT), prazo de 60 dias para que informe as ações adotadas acerca das irregularidades apontadas. O advogado das partes, Marcelo Palaveri, já ingressou recurso e aguarda novo julgamento.

Leandro de Jesus

13 fevereiro, 2010

MANOBRA GARANTE VERBA PÚBLICA PARA ESCOLAS DE SAMBA

Liga das escolas está proibida de receber subvenção desde 2005

A Liga Poaense das Escolas de Samba e Entidades Carnavalescas está impedida de receber auxílio, subvenção ou contribuição do poder público. A medida está válida desde 2005, quando decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SP) julgou irregular a prestação de contas do carnaval de 2002. Apesar do julgamento, grupos carnavalescos continuam recebendo valores da prefeitura.

A entidade não cumpriu com as providências solicitadas pelo TCE/SP para prestar contas de R$47.856,00 subvencionados pela prefeitura.

A lei 2871/01, que autorizava o repasse, exigia a prestação de contas em 60 dias após o encerramento do carnaval e determinava que a subvenção fosse "aplicada no incentivo à participação de escolas de samba, blocos e toda infra estrutura carnavalesca do Município de Poá".

Na decisão final, o relator Eduardo Bittencourt Carvalho assinalou que apesar das oportunidades concedidas, não foi regularizada a matéria. "Deste modo, julgo irregular condenando o órgão beneficiário a restituir o valor recebido devidamente atualizado", concluiu.

Carnaval 2010

As escolas e blocos, que eram representados pela Liga, apesar de beneficiários diretos, não foram penalizados pelo prejuízo causado ao erário público e ninguém restituiu a verba.

Diante dessa situação, a prefeitura e as entidades carnavalescas encontraram nos últimos anos outra solução para a continuidade do repasse. Os valores são transmitidos diretamente para cada agremiação. Neste ano, as escolas receberam R$ 180 mil no total.

Leandro de Jesus

ELEIÇÃO PARA CONSELHEIRO TUTELAR

No próximo sábado, dia 20, haverá em Poá a eleição de Conselheiros Tutelares. A votação será direta e facultativa, das 8 as 17h. Compareça às seções com documento de identificação com foto e título de eleitor.

Para esta eleição, houve um remanejamento do local de sessões. Confira onde você pode votar:

E. E. Pe. Simon Switzar
Rua: Capanema, 76 – Centro
Eleitores das Seções: 180, 181, 182, 183, 184, 185, 186, 187, 188, 189, 190, 191, 192, 193, 194, 195, 196, 197, 198, 199, 229, 230, 231, 232, 233, 234, 235, 236, 237, 299, 304, 311, 343, 345, 353, 357, 407, 441, 446, 468, 478 e 480.

E. E. Profª. Benedita Garcia da Cruz
Rua: Lilia, 115 – Calmon Viana
Eleitores das Seções: 169, 170, 171, 172, 173, 174, 175, 176, 177, 178, 179, 242, 254, 262, 282, 290, 302, 319, 358, 370, 379, 388, 393, 397, 402, 413, 414, 419, 425, 434, 447, 449, 458, 467, 475, 479 e 482.

EMEF Antonia Mello Reggiani
Rua: Guairá, 333 – Vila Perracine
Eleitores das Seções: 410, 422, 432, 439, 453, 463 e 476.

E. E. Margarida de Camilis
Rua: Portugal, 261 – Vila Varela
Eleitores das Seções: 387, 392, 396, 405, 411, 423, 428, 435, 436, 448, 452, 461 e 472.

E. E. Maria Aparecida Ferreira
Rua: Criciúma, 29 – Vila Amélia
Eleitores das Seções: 243, 252, 259, 276, 283, 289, 294, 348, 349, 382, 386, 391, 395, 399, 404, 406, 418, 427, 438, 450, 462, 469, 481 e 483.

E. E. Jornalista Paulo Eduardo Olintho Rehder
Rua: São Francisco, 280 – Centro
Eleitores das Seções: 200, 201, 202, 203, 204, 205, 206, 207, 208, 209, 210, 211, 212, 213, 214, 215, 216, 217, 218, 219, 220, 221, 222, 223, 224, 225, 226, 227, 228, 315, 317, 335, 355 e 403.

E. E. Profª. Nanci Cristina do Espirito Santo
Rua: Fernando de Noronha, 100 – Jardim Santa Helena
Eleitores das Seções: 244, 263, 292, 318, 371, 380, 384, 385, 390, 398, 401, 409, 415, 417, 420, 424, 429, 430, 433, 437, 443, 445, 454, 455, 456, 460, 464, 466, 473 e 474

EMEF Dr. João Pedro de Almeida
Rua: Jorge Tomé, 181 – Jardim São José
Eleitores das Seções: 408, 416, 421, 426, 431, 444, 457 e 470.

EMEF Profª. Walkiria Janoni Vieira
Rua: Manoel Ambro Silva, s/n- Jardim Nova Poá
Eleitores das Seções: 361, 372, 381, 383, 389, 394, 400, 412, 440, 442, 451, 459, 465, 471 e 477.

07 fevereiro, 2010

POÁ PODERÁ TER CARNACHUVA

Região onde será montado sambódromo costuma ter enchentes


Exibir mapa ampliado

A Estância Hidromineral, conhecida pela água de suas nascentes, poderá ser lembrada de outras formas após o carnaval. Talvez pela água das enchentes que pode atingir a região do sambódromo poaense, a ser montado em área paralela ao Rio Itaim.

A prefeitura municipal montará a estrutura do carnaval na Avenida Vicente Leporace. No local, é comum ter enchente nos trechos iniciais e finais. No sábado dia 6, com rápida chuva que atingiu a cidade, parte da avenida ficou alagada, o que impediu o acesso de automóveis. Toda a avenida margeia o Rio Itaim, o mesmo que transbordou nas últimas semanas e alagou grande parte do centro.

Previsão do Instituto Climatempo já indica pancadas de chuva à tarde e a noite nos dias 13 e 14, quando haverá os desfiles na cidade.

Vias que darão acesso ao sambódromo também costumam alagar, como as avenidas Prefeito Francisco Jorge Correa Alen, Anchieta e trecho da Rua Afonso Penna, na Vila Romano.

Caso a previsão do tempo se confirme, a festa poderá ser seriamente prejudicada. Mesmo que especificamente no sambódromo não haja enchente, os acessos a ele poderão alagar, atrapalhando sambistas com suas fantasias, visitantes e carros alegóricos.

Por Leandro de Jesus

06 fevereiro, 2010

RESPOSTA À BORIS CASOY, DA BAND

05 fevereiro, 2010

CPI CONTRA PREFEITO FOI REJEITADA

Suspeita era sobre licitação vencida por Maktub; a empresa assinou outro contrato em dezembro

Logo na primeira sessão do ano na Câmara Municipal já houve pedido de criação de comissão para investigar a administração de Testinha. O requerimento, rejeitado pelos vereadores, apresentou denúncia contra um possível direcionamento na licitação que comprou cestas de natal para funcionários públicos.

De acordo com a denúncia apresentada por Mário de Oliveira, haveria suspeita de direcionamento de licitação e superfaturamento de valores. A divulgação da vencedora ocorreu dia 17 de dezembro, apenas 5 dias antes da entrega de mais de 2 mil cestas. Para Oliveira não haveria prazo suficiente para preparação das cestas e só conseguiria concluir o trabalho uma empresa que soubesse que ganharia a licitação. Cálculos reproduzidos na publicação "De Olho na Cidade" sugerem o superfaturamento na compra.

Apesar dos incisivos argumentos, por seis votos contrários o requerimento foi rejeitado pelo legislativo. Votaram a favor Junior da Locadora (PV), Edison Rodrigues (DEM), Augusto de Jesus (PRB) e Azuir Marcolino (PTB)

Outro contrato

O Maktub, que tem a razão social registrada como Comercial de Alimentos
Famaca Ltda, assinou ainda em dezembro outro contrato com a prefeitura. Sob o valor de R$ 46.040,66 foram comprados materiais de limpeza para serem utilizados
nas unidades escolares do município, durante 10 meses.

Por Leandro de Jesus

01 fevereiro, 2010

BURACO NEGRO

O túnel de pedestre sob os trilhos da CPTM, que liga os lados norte e sul, na região central de Poá, está às escuras há vários dias.

Quando ainda há luz do dia, já é possível perceber a escuridão do local, quem dirá à noite. A prefeitura, no entanto, sabe do caso mas até agora não fez nada para solucionar o problema.

Os pedestres que por lá circulam correm riscos de serem assaltados, pois nem Guardas Civis Municipais foram disponibilizados no local. Além disso, há perigo de acidentes, como quedas, pois o revestimento do piso no local permanece constantemente molhado.

Pelo que podemos perceber, o prefeito Francisco Pereira de Sousa, o Testinha, continua não dando atenção às pessoas que circulam a pé pela cidade.

Na conhecida Praça do Relógio, há uma canaleta para a coleta de água das chuvas que desde a posse do prefeito Testinha está precariamente coberta, o que causa transtorno para os munícipes, também há sérios riscos de acidentes.

É preciso que os secretários de Obras e de Serviços Urbanos deixem suas cadeiras vazias em seus gabinetes e circulem pela cidade, para observar as dificuldades encontradas pelos pedestres. Atenção, não são só os proprietários de veículos que contribuem com impostos, mas todos cidadãos


Prof. Carlos Datovo

25 janeiro, 2010

PREFEITURA ALUGA IMÓVEL DA FAMÍLIA MASSA

A prefeitura municipal assinou contrato no valor de R$ 300 mil para aluguel de imóvel que pertence à família Massa. A locação ocorreu no último mês de novembro para que no prédio seja instalada a 133º Circunscrição Regional de Trânsito - Ciretran de Poá.

O imóvel, localizado à Avenida Nove de Julho, nº 1.100, Centro, está registrado em nome de Nelson Rodrigues de Almeida e Carolina Massa de Almeida. Carolina é parente do Presidente da Câmara de Vereadores, Ricardo Massa (PP), que é da base aliada do prefeito Francisco Pereira de Sousa, o Testinha.

O pagamento mensal ao locatário será R$ 10 mil pois o contrato terá vigência de 30 meses.

A locação de imóveis não exige licitação, conforme artigo 24, Inciso X, da Lei Federal nº 8.666/93, o que proporciona liberdade de escolha ao executivo. Essa seleção no entanto deve ser feita de forma criteriosa, para que evite dúvidas em relação à licitude do processo.

Nesse caso, para evitar suspeita de impessoalidade na escolha, era preferível que a prefeitura locasse outro imóvel, mantendo o mesmo a menos que não houvesse algum novo local que pudesse abrigar a Ciretran.

Agir com precaução é a melhor forma para se ter transparência na administração. Nesse contrato parece que não agiram dessa forma.

Por Leandro de Jesus

15 janeiro, 2010

ENCHENTES: FALTOU ATITUDE NA HORA CERTA.

Mais uma vez cidadãos poaenses tiveram de enfrentar enchente que entrou em casas e comércios. Mais uma vez ouviram dos órgãos públicos que o problema foi o excesso de chuva.

A população está acostumada a essas desculpas pois a cada temporada de chuvas elas se renovam. O povo porém não pode é calar-se, anestesiar-se ou acomodar-se diante desse grave problema. É necessário questionar e cobrar os representantes eleitos para agirem no momento adequado.

Há anos a região central da cidade sofre com as consequências das chuvas de verão e pouca ação se viu do poder executivo. O prefeito Testinha iniciou seu mandato com obras no rio Tucunduva, mas parou nele, além de não tê-lo aberto em sua região canalizada, como prometera.

Tanto neste governo como em anteriores não faltou verba para que obras pudessem ser realizadas. Só como exemplo, quem não se lembra dos vários dias de festa da orquídea patrocinadas por Roberto Marques (PTB) e Eduardão (DEM), ambas com artistas renomados e custo altíssimo de cachês? Ou seja, não faltava dinheiro. Faltava atitude.

O problema é tão urgente que não está mais em tempo de questionar se será construído piscinão ou se haverá outra solução. Mas se quer saber quando algo será feito, pois tempo houve para planejar. Inclusive, o prefeito divulgou estudo no último dia 15 informando a possibilidade de se duplicar o Rio Itaim.

Esse estudo não foi feito em tão curto prazo. Então, por que não tomou atitudes desde o ano passado? Assim como os governantes anteriores, Testinha não age na hora certa. As chuvas de verão, por sua vez, não falham. A população sofre a conseqüência.

Por Leandro de Jesus

08 janeiro, 2010

NOVAMENTE O CAOS. O POVO PAGA A CONTA

Nos últimos dezessete anos, oito de governo Eduardão, oito de Jorge Alen e Roberto Marques e mais um ano do atual prefeito Francisco Pereira de Sousa, o Testinha, nada foi feito para amenizar o problema de enchentes no centro da cidade.

Nada foi realizado para proteger os cidadãos que freqüentam o centro comercial, sejam eles comerciantes, funcionários ou consumidor. Nada foi feito para que deixem de tomar prejuízos com as enchentes.

O que se vê são obras desnecessárias sendo executadas, enquanto obras importantes são deixadas para segundo plano.

Com a chuva do dia sete de janeiro de 2010, o centro comercial da cidade ficou mais uma vez inundado e quem perdeu com isso foi o contribuinte, que pagou um serviço de reforma nas praças centrais, sem necessidade, e que agora terá que pagar novamente para corrigir esta situação grave.

Isso é mais uma prova de incompetência do atual governo e seus secretários que não apresentaram um plano de execução de obras contra enchentes para a cidade.

Por Prof Carlos Datovo

05 janeiro, 2010

CONTRATO DA PREFEITURA COM PAJOAN SOB SUSPEITA

Equipes técnicas do Tribunal de Contas do Estado concluíram que há irregularidade tanto na licitação quanto no contrato celebrado entre a prefeitura de Poá e a Empreiteira Pajoan. A empresa assinou contrato no valor de R$ 6.302.160,00 em maio de 2008, ainda na gestão do prefeito Roberto Marques (PTB).

A concorrência tinha como objetivo contratar empresa que prestasse serviços de coleta e transporte de resíduos sólidos domiciliares, comerciais e públicos gerados no Município de Poá, e destinação final e tratamento de resíduos em aterro sanitário, devidamente licenciado.

Um dos órgãos do tribunal, no entanto, concluiu pela irregularidade da licitação e do contrato, bem como pelo não conhecimento da garantia descrita na carta de fiança. De acordo com o setor, "foi fixado apenas um dia e horário para a visita técnica". Exigiu-se ainda "colocação de veículo à disposição da Prefeitura para fins de fiscalização dos serviços contratados". Essa ação encareceria desnecessariamente o contrato e vincularia "o contratado ao ato de fiscalização da execução contratual".

Essas irregularidades infringem o artigo 3º da Lei nº 8.666/93 que trata da lisura, da isonomia, da impessoalidade e da probidade administrativa em licitações.

Foi também constatando que havia sido celebrado um contrato com a mesma empresa dois meses antes. O valor, porém, era inferior. Inclusive, a quantidade de toneladas de resíduos também fora aumentada no último contrato. De 2200 o novo contrato passou a prever coleta e transporte de 3600 toneladas.

Além de outros apontamentos que pudessem restringir a participação na licitação, as equipes compreenderam ainda que a subjetividade no subitem 19.7 do edital poderia também afetar a concorrência. Haveria possibilidade de desqualificação de qualquer concorrente, sem direito a ressarcimento, se fosse constatado fato que afastasse sua idoneidade técnica, financeira ou administrativa.

O conselheiro Fulvio Julião Biazzi, antes de analisar o mérito, concedeu trinta dias para que a prefeitura encaminhe à Corte as justificativas que entender oportunas acerca das irregularidades suscitadas.

A Lei nº 8.666/93 prevê em no art. 82 penas administrativas, civis e criminal para aqueles que agiram de forma a frustrar os objetivos da licitação. A sanção nessa situação seria detenção de 2 a 4 anos e multa.

Por Leandro de Jesus

04 janeiro, 2010

TESTINHA AUMENTA 33% VERBA PARA ESCOLAS DE SAMBA

O aumento na destinação de verbas supera a inflação do período

O prefeito de Poá, Testinha (PDT), deverá aumentar em 33% o valor destinado às escolas de samba no município no próximo carnaval. Cada agremiação receberá neste ano R$ 20 mil. Em 2008, ano que ocorreu a última festa, o valor repassado fora de R$ 15 mil.

O aumento na subvenção é escandaloso já que não encontra respaldo na variação da inflação do período, nem no aumento da arrecadação prevista para 2010. De fevereiro de 2008 ao mesmo mês deste ano, a inflação acumulada deve girar em torno de 10,05%. Na Lei Orçamentária Anual há uma previsão para o ano de R$ 223,7 milhões, apenas 0,8% maior que em 2009.

Diante desses dados, não se entende o porque de aumento tão considerável na verba para o carnaval. É mais difícil ainda de compreender pois no ano passado Testinha, logo no início de seu mandato, cancelou o evento e destinou a verba para a área da saúde. Concluiu-se que para o recém empossado a festa não teria tanta importância. O prefeito, porém, mudou de opinião.

Haverá desfile de cinco escolas, Última Hora, Vila Vampré, Acadêmicos da Nova Poá, Vila Júlia e Padre Eustáquio. Também está previsto apresentação de blocos e bandas. Além disso, há gastos com infra-estrutura e divulgação do evento. Milhares de reais, portanto, serão gastos na festa.

Seria muito interessante que Testinha também aumentasse nessa percentagem a verba para outras áreas, como a saúde, segurança, educação e folha de pagamento de funcionários. Ao longo do mandato, contudo, observa-se as preferências.

Por Leandro de Jesus

02 janeiro, 2010

INCOMPETÊNCIA DO EXECUTIVO

Prefeitura faz mais uma obra problemática

No cruzamento da avenida 9 de julho com a rua Leonor Bolsoni Marques da Silva, no centro da cidade, o prefeito de Poá, Francisco Pereira de Sousa, o Testinha, modificou o retorno e criou um novo para quem estiver indo da 9 de julho para o centro. Agora, não será mais necessário fazer o retorno na Praça dos Expedicionários. A nova opção será nesse mesmo cruzamento. O local, porém, já recebeu asfalto, mas por incompetência ou má intenção não se retirou o poste que suporta um dos semáfaros. Hoje há alguns cavaletes para alertar o motorista que o poste está na rua.

Com certeza, esse poste será removido posteriormente e, assim, o contribuinte terá de pagar pelo serviço duas vezes. Esses detalhes demonstram o descaso com que se cuida do dinheiro público e a incompetência do executivo, especialmente do secretário de obras e do diretor de trânsito

Senhor Prefeito, já está na hora de deixar de fazer politicagem e correr atráz de votos. É tempo de contratar pessoas capacitadas para administrar a cidade e o dinheiro público.

Prof Carlos Datovo

01 janeiro, 2010

ENTRADA EM MERCADO DEIXA TRÂNSITO RUIM NA 26 DE MARÇO


Importante corredor da cidade é travado por um único comércio

O congestionamento de automóveis está cada dia maior na rua 26 de Março, importante via que liga bairros ao centro da cidade. Ao longo de 2009 foi possível notar o problema, mas nas festas de fim de ano a situação ficou dramática. O problema é agravado com carros entrando no Supermercado Veran.

Diversos elementos já são suficientes para a redução da velocidade no local. A rua, apesar de curta na largura, é importante corredor comercial. Tem mão única e há permissão para estacionamento em 45º em um dos lados. Além disso, a prefeitura autoriza ponto de táxi na via e há escola onde alunos chegam por meio de vans e ônibus.

O que trava o escoamento, porém, é a entrada de veículos no supermercado Veran. Para entrada e saída de veículos é necessário parada do trânsito. Em horário de pico noturno, um trecho que é possível trafegar em menos de um minuto, é realizado no mínimo em cinco. Nas festas de fim de ano, quando as vendas aumentaram no local, tranqüilamente o trajeto seria percorrido mais rápido caso as pessoas estivessem a pé.

O departamento de trânsito da prefeitura parece não estar interessado no problema, haja visto o longo período que a situação existe. Mas sugestões não faltam. Poder-se-ia mudar a localização do ponto de táxi, transferindo, por exemplo, para a frente da padaria situada na rua. No local atual seria criada uma faixa exclusiva para aqueles que quisessem entrar no comércio.

O lugar que hoje serve de estacionamento em frente ao mercado poderia ser transformado em faixa exclusiva para aqueles que quisessem sair do comércio. São soluções que exigem baixo custo e melhoraria a fluência do tráfego na rua. É necessário, contudo, que o departamento de trânsito se interesse em resolver o problema, atenda essa sugestão ou crie um projeto melhor.


Por Leandro de Jesus

20 dezembro, 2009

NOVAMENTE, O NÃO-TURISMO EM POÁ

A Diretoria de Turismo de Poá enfim produziu uma atividade que serviu para promover atrativos do município. No último dia 13, na edição do projeto "Prefeitura Bairro a Bairro" na Cidade Kemel, foi disponibilizado um ônibus para realização de passeio turístico.

Apesar de ocorrer somente agora, há alguns dias de Testinha completar um ano no cargo, a ação é benéfica. O primeiro passo para transformar uma cidade em receptora de turistas é enraizar nos moradores a cultura de manter o município organizado, atraente, bonito, limpo. A importância de se preservar atrativos é algo que deve ser orientado pelo poder público, bem como os benefícios para todos resultante da chegada de visitantes.

Contudo, nova diretoria do Conselho Municipal de Turismo foi empossada, milhares de recursos foram destinados à promoção turística, mas não se vê o executivo mobilizando de forma efetiva empresários e moradores na construção de projetos de curto, médio e longo prazos para transformar Poá na sonhada cidade turística.

É necessário identificar os recursos para poder transformá-los em atrativos turísticos. Não se pode, porém, acreditar que trará visitantes a última reforma das praças centrais e a construção de uma nova no antigo pátio da feira. Se o interesse foi esse, o objetivo não será alcançado, pois não há nada de novo nelas. Para fins de exemplo, compara-se os parques de Curitiba, com suas respectivas fontes, e as nossa praças. Veja link http://www.curitibafulltime.com.br/turismo.htm.

Em Curitiba ele foram ousados, pensaram grande. Em Poá ocorre o inverso, uma pequenez de atitude. O investimento em Poá na reforma do centro histórico, especialmente das praças Atílio Santarelli, do Relógio, dos Expedicionários, João Felippe Júnior e Rui Barbosa, custaram em torno de R$ 4 milhões e não são atrativas para turistas.

Mais um ano se passou e o sonho de transformar a Estância em cidade turística continua. A diretoria de turismo acertou com a atividade relatada, mas é muito pouco para as promessas feitas em campanha e para aquilo que necessita o município. Espera-se que haja mais coragem, perspicácia, ousadia e competência no próximo ano.

Por Leandro de Jesus