29 agosto, 2009

POLÊMICA SOBRE EXPOÁ CONTINUA

Após a prefeitura de Poá informar o cancelamento da EXPOÁ (Exposição de Plantas Ornamentais e Orquídeas) 2009, em razão da disseminação do vírus A H1N1, debates acalorados sobre a decisão tomaram conta em comunidade sobre a cidade no "orkut", na rede mundial de computadores - a internet. Questiona-se se foi uma decisão populista ou técnica.

Alguns participantes alegam que a decisão foi política e que provavelmente em ano de eleição a festa não seria cancelada. Outros concordam que se deve ter prudência. Os contrários à decisão dizem que a EXPOÁ seria muito esperada e a não realização eliminaria uma das poucas opções de lazer programadas na cidade.

Apesar de outras cidades não cancelarem festas, como em Arujá, Guararema, Suzano e a famosa festa de peão de Barretos, a prefeitura de Poá age de forma correta seguindo inclusive sugestões do governo federal.

De acordo com a assessoria do Ministério da Saúde, "há riscos de transmissão do vírus em local aberto, sendo que em locais fechados o risco é bem maior". A EXPOÁ tradicionalmente vem sendo organizada nos galpões e em tendas disponibilizadas na Praça de Eventos. Milhares de pessoas costumam visitar o espaço, fato que poderia potencializar a disseminação do vírus.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, em locais abertos deve-se seguir, "a princípio, as mesmas recomendações de ambientes fechados. Evite aglomerações de pessoas e procure ambientes com maior ventilação, sugere a pasta.

O vírus é novo e toda precaução por parte de órgãos governamentais é importante. A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou que o H1N1 se dissemina numa velocidade muito alta e o total de contaminados já supera os que estão com gripe sazonal.

Diante desse cenário, é importante o cancelamento da EXPOÁ como medida de prevenção. Independente dos reais motivos que levaram a prefeitura a tomar tal decisão, ela está tecnicamente correta.

Por Leandro de Jesus

24 agosto, 2009

DENEVAL DIAS E EX-VEREADORES SÃO CONDENADOS

De acordo com dados do "Diário de Suzano, juiz condenou-os por viagem irregular

O juiz de direito do Fórum de Poá, Alessander Marcondes França Ramos, condenou o vereador Deneval Dias (PRB) e outros oito vereadores da legislatura 93 a 96 a devolver ao Poder Legislativo verba utilizada indevidamente no III Congresso Internacional de Direito Administrativo, realizado em Foz do Iguaçu, entre os dias 8 e 11 de setembro de 1993.

A ação movida pelo ex-vereador Milton Bueno de Almeida (PT) condenou também Adelir dos Santos, Edson Vieira Pires, Itamar Firmo da Cruz, José Alves da Silva, Laureano Rosal, Milvio Sanches Baptista, Ramon Ruiz Lopes Filho e Osvaldo Leite Dantas.

Os envolvidos deverão devolver aos cofres públicos valores com juros e correção monetária.

Leandro de Jesus

PREFEITURA LIMPA TERRENO

Após matéria publicada no Jornal Novo São Paulo ( veja abaixo http://poa-sp.blogspot.com/2009/07/escolas-sofrem-com-terreno-da.html ), a prefeitura municipal realizou limpeza de terreno público.

A área está localizada entre as escolas Nanci Cristina do Espírito Santo e Manoel Petronílio do Santos, no Jardim Áurea. Na ocasião, o Secretário de Serviços Urbanos, Carlos Tavares, o Léo, não havia indicado data para limpeza e fim dos problemas da comunidade.

Pouco tempo após a publicação, o terreno foi limpo, mas ainda restou um problema. O muro não foi fechado, o que permite novamente que pessoas joguem lixo ou adentrem ao terreno para usar drogas ou invadir as unidades escolares.

Está dado o alerta para que a prefeitura resolva o problema completamente.

Leandro de Jesus

18 agosto, 2009

SESSÃO DA CÂMARA É APÁTICA

Idealmente, uma Câmara de Vereadores e legisladores servem para cumprir algumas das mais nobres tarefas de uma sociedade. Debate sério dos problemas coletivos, fiscalizar a legalidade de ações do executivo e propor leis que promovam a melhoria das relações entres os cidadãos são algumas dessas tarefas, mas a Câmara Municipal de Poá parece não entender sua importância.

Na última sessão do dia 11, salvo raras excessões, pode-se acompanhar cenas de marasmo, falta de respeito com cidadãos presentes ou mesmo de preparo para exercer a digna função.

De início, o vereador Mario Sumirê (DEM) leu o expediente, mas a maioria dos vereadores nem sequer prestou atenção ao que se falava. Exemplos de Wellington Lopes (PTB) e Tonho (PDT). A seguir, alguns vereadores utilizaram a Tribuna. Lauriston (PV) fez homenagem ao judoca poaense Matheus. Apesar de merecida, poderia ter sido marcado sessão especial e não realizada na ordinária, quando assuntos complexos e polêmicos devem estar na pauta.

Sumirê fez levantamento de pontos positivos e negativos, em bairros, em relação às ações da prefeitura. Passou apenas os dados e não concliu. Para que servem dados se não se concretiza em análise crítica? O trabalho do vereador ficou incompleto, então.

Agora resta uma dúvida. Vários vereadores não usaram a tribuna. Será que não há assunto importante numa cidade com 110 mil habitantes para se tratar a cada semana? Dessa forma, os vereadores parecem estar distante da realidade. Fora os já citados, o vereador Junior da Locadora (PV) e Deneval Dias (PRB) também foram os únicos que falaram na tribuna.

Mais desrespeitoso ainda são as conversas entre o pares quando um está na tribuna. Além disso, naquela sessão, o presidente da casa, Ricardo Massa (PP) e Tonho (PDT)passaram quase todo o período, aberto aos vereadores discusarem, do lado de fora do plenário. Isso é desrespeito com os colegas. Deveria haver assunto muito importante, pois só isso motivaria largar o plenário na única sessão da semana, imagina-se.

Alguns projetos de lei foram inclusos do forma urgente na ordem do dia. Um deles, do Junior, iria ser aprovado por unanimidade, sem que todos conhecessem do que se tratava, como demonstrou Edson Rodrigues (DEM). Junior, no entanto, se dispôs a explicar, mesmo sem pedidos.

As conversas paralelas, as saídas do plenários, a falta de assunto para debater, o desinteresse com a pauta do dia são no mínimo falta de respeito para com aqueles que comparecem ao local para assistir à sessão. Mais ainda, com todos o poaenses. Repete-se. Só ocorre uma vez por semana e a maioria deles não consegue apresentar um debate público de alto nível nas sessões.

Só não sei afirmar o que é maior. Falta de respeito ou de competência?

Por Leandro de Jesus

17 agosto, 2009

WILLIAM HARADA É NOMEADO EM SANTO ANDRÉ

Ex-Secretário de Finanças de Poá, investigado pela PF, foi nomeado pelo governo do PTB

O presidente da Comissão de Concursos de Projetos para Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) da Secretaria de Saúde em Santo André, William Sérgio Maekawa Harada, nomeado em 27 de julho, é citado em ação contra a prefeitura de Poá, acusada de superfaturamento na compra de ambulâncias. Harada exerceu os cargos de secretário de Administração e de Finanças durante o governo de Roberto Marques (PTB), entre 2005 e 2008.

Segundo o ex-secretário, seu nome consta no processo, mas não como réu. "Não existe nada relacionado à minha pessoa. Fiz parte do governo e existia uma verba federal desde 2004 para compra de uma ambulância. A verba já vinha da gestão anterior e, pelas pressões políticas que sofremos, fizemos a compra do veículo por um valor entre R$ 60 e R$ 80 mil, não lembro exatamente. Tudo isso ocorreu na época das investigações da Máfia das Ambulâncias, por isso, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar", explicou.

texto completo em http://www.dgabc.com.br
Clébio Cantares
Do Diário do Grande ABC

09 agosto, 2009

PODER PÚBLICO RESTRINGE DEBATE SOBRE RODOANEL

Apesar da importância e dos efeitos que a futura obra do Rodoanel causará na cidade, os poderes públicos eleitos em Poá limitam o debate e não convocam a população a opinar.

A prefeitura montou um grupo reduzido de pessoas para discutir e elaborar sugestões ao prefeito a respeito da obra. A Câmara Municipal não constituiu sequer comissão sobre o tema.

A população só pode participar de forma concreta e objetiva na Audiência Pública promovida pelo DERSA, em julho. O evento é uma das obrigações existentes para que o Coselho Estadual de Meio Ambiente libere a construção da estrada. Ressalta-se, porém, que esse evento não é das melhores formas para a população entender e participar das decisões. As explanações dos órgãos envolvidos são muito técnicas e a proposição de sugestões é reduzida pelo tempo e não pode ser debatida.

Vereadores comentam vagamente sobre o tema nas sessões. O prefeito divulga na imprensa seus pedidos para compensar as alterações que a cidade sofrerá. Nenhum debate sério, no entanto, é convocado pelos poderes. Seminários, conferências, reuniões ou mesmo palestras poderiam levar a população para discutir a tão importante obra.

A população têm de estar informada sobre os desdobramentos da aprovação do traçado e tem o direito de opinar e questionar. Ambos poderes não demonstram interesse para que isso aconteça. Eles têm grande oportunidade para promover a participação popular em questões decisivas, mas mais uma vez estão deixando a oportunidade passar.

Há ainda muitos pontos importantes a serem debatidos. Onde a população desalojada ficará hospedada se no município há poucas casas disponíveis para aluguel? Onde serão construídos os prédios do CDHU? Como será oferecida a infra-estrutra (escolas, creches, postos de saúde, transporte público) no local?

Não faltam motivos para se ampliar o debate, ou promovê-lo seriamente, de forma ampliada e coletiva. Falta, pelo visto, vontade do poder público.

Por Leandro de Jesus

01 agosto, 2009

TRECHO LESTE DO RODOANEL AMEAÇA MAIS DE 10 ESPÉCIES DE AVES EM EXTINÇÃO


Lista de aves em extinção ameaçadas pelo Rodoanel pode ser ainda maior, pois o estudo de fauna durou apenas 10 meses

Aves inclusas na lista de extinção do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA) estão sendo ameaçadas pelo traçado das obras de construção do Trecho Leste do Rodoanel.

De acordo com o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima), apresentado pelo Desenvolvimento Rodoviário SA (DERSA), foram detectadas em campo, na área do traçado do Trecho Leste, dez espécies de aves em extinção.

De acordo com o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental – PROAM, Carlos Bocuhy, o número de aves localizadas nestas áreas e, que constam na lista de animais ameaçados de desaparecer da fauna brasileira, pode ser ainda maior, pois os estudos encontraram, além das dez espécies em campo, outras 12 que foram consideradas como ocorrência provável a partir de dados secundários.
“O estudo de fauna das regiões que contemplam o traçado do Trecho Leste do Rodoanel foi realizado apenas durante dez meses, neste período aves migratórias podem ter sido excluídas da lista de animais encontrados”, esclareceu Bocuhy.

O ambientalista informou que, além das 22 espécies supracitadas, mais oito espécies de aves em extinção podem ser encontradas nas regiões das obras do Rodoanel.
“Existe a possibilidade de encontrarmos mais quatro espécies de aves pelo traçado do Rodoanel, devido ao bioma. E, mais quatro nas áreas próximas da Represa Billings”, explicou.

Bocuhy detalhou que as aves que estão na lista de animais em extinção e que foram encontradas no traçado do Techo Leste do Rodoanel são: Pavó, Jacuaçu, Gavião-pega-macaco, Papagaio-verdadeiro, Pica-pau-dourado, Macuquinho, Araponga, Tico-tico-do-banhado, Pixoxó e Carretão.

Já as aves que não foram catalogadas pelo EIA/Rima da DERSA e, possivelmente, podem ser encontradas nas regiões do traçado são: Maçarido-pintado, Gavião-pombo-pequeno, Sabiá-cica e Cigarra-verdadeira. Entre as espécies que podem ser encontradas da várzea do Tietê e Billings estão: Garça-real, Gavião-asa-de-telha, Carqueja-de-bico-manchado e Maçarico-do-campo.

Fonte: http://www.proam.org.br

24 julho, 2009

BILHETE ÚNICO MAIS UMA VEZ ADIADO

O prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha (PDT), mudou mais uma vez o prazo para instalação do bilhete único no transporte coletivo municipal. As diversas mudanças de prazos e o não cumprimento de metas deixam o administrador desacreditado.

A primeira promessa em relação ao transporte público foi feita logo após sua eleição. Para a imprensa, divulgou que em janeiro passado já haveria um bilhete integrado único entre as linhas municipais de Poá e Ferraz de Vasconcelos. Além disso, já no primeiro semestre a tarifa seria reduzida. Prometeu em sua campanha que o preço seria de R$ 1,70 e duas novas rodoviárias seriam construídas.

Perto de completar seis meses de governo, Testinha disse que em Julho os munícipes poderiam aproveitar do benefício. O mês está terminando e agora nova promessa foi realizada. De acordo com o jornal Diário do Alto Tietê, ficará para agosto o lançamento, pois um projeto de lei estaria sendo debatido na Câmara Municipal.

Essas constantes mudanças de datas e não cumprimento de promessas só demonstram que o prefeito ou não se atenta aos entraves burocráticos que projetos têm para serem efetivados ou não tem responsabilidade ao lançar espectativas para os cidadãos poaenses.

De concreto, os usuários de transporte coletivo permanecerão tempo maior sem o benefício do bilhete e aguardam ainda a efetivação da redução do preço da passagem. Se foi prometido, o povo acreditou e o elegeu, deve cumprir.

Aguardaremos e cobraremos!

Leandro de Jesus

21 julho, 2009

"SITE EM CONSTRUÇÃO"

É esta mensagem que se encontra ao buscar informações sobre a administração ou a cidade no sítio da prefeitura de Poá, na internet. Após questionamento neste blog da falta de atualização, o sítio foi retirado do ar, há quase três meses, e nada mais foi publicado.

Ná página resta um trecho que diz "mais transparência", mas é justamente isso que está faltando. Não há motivos para tanta demora em colocar um sítio no ar. Muito pelo contrário. Grandes portais da rede mundial de computadores têm suas páginas totalmente reformuladas sem a necessidade de sua retirada total.

A prefeitura presta um desserviço aos cidadãos com a não disponibilização de dados oficiais por este meio de comunicação. O governo de Testinha caminha na contramão daquilo que propôs na campanha eleitoral: publicidade dos atos oficiais.

Espera-se que outras ações do executivo não sejam tão demoradas como esta, pois se assim for, serão 4 anos de poucos projetos e de uma população descontente.

Por Leandro de Jesus

20 julho, 2009

ESCOLAS SOFREM COM TERRENO DA PREFEITURA

Apesar de informada, a Secretaria de Serviços Urbanos não toma providências

Um terreno abandonado de propriedade da prefeitura de Poá, localizado entre a Escola Estadual Nanci Cristina do Espírito Santo e a Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Manoel Petronílio do Santos, tem causado problemas para as unidades e para a comunidade do bairro Jardim Áurea. A prefeitura foi avisada, mas não atendeu a solicitação.

O local está tomado por mato, lixo, fezes, móveis velhos, roedores, baratas e animais mortos. O odor é forte e o mato está alto. Há também árvores grandes no local. Além disso, o muro do terreno faz divisa com as escolas, mas na Rua Jorge Tibiriçá há abertura por onde entram pessoas e por onde são jogados os objetos. Jovens da região servem-se do terreno para usar drogas, invadir e apedrejar as escolas.

“À noite os jovens entram no terreno, usam drogas, observam tudo que acontece dentro da escola e invadem-na para fazer bagunça”, avalia Pedro de Sousa Santos, coordenador pedagógico da Escola Nanci Cristina. Do terreno, é possível visualizar as pedras jogadas pelos jovens no telhado da escola. De acordo com Santos, é comum eles fazerem isso, porém “no escuro não é possível identificá-los, além disso, quando vamos verificar eles saem correndo”.

A direção da unidade escolar informou ainda que algumas vezes é necessário chamar a Polícia Militar para tirar os jovens de dentro do páteo. Na Escola Manoel Petronílio, os problemas não são muito diferentes. Apesar de quase não haver invasões, o vandalismo sempre foi constante.

De acordo com Cintia Coronado, diretora da escola, sempre houve o apedrejamento. “Eles quebravam muitos vidros e telhados. Já jogaram pedras inclusive no meu carro. Hoje a intensidade diminuiu, pois foi erguida uma grade ao lado do muro do terreno”, disse a diretora. Cintia informou ainda que no início do ano a prefeitura fez a manutenção dos vidros e telhados.

A diretora Cintia tenta minimizar os problemas da invasão abrindo a escola para comunidade. “Sempre que querem praticar esportes, nós deixamos os jovens utilizar a quadra”, conclui.

Para Santos, uma solução seria a construção de uma área de lazer. “Deveriam ser construídas quadras esportivas, mas que houvesse também um programa de treinamento e organização. A prefeitura teria que atuar ativamente no local. Deixá-la sem atenção só traria os mesmos problemas”, diz o coordenador.

Prefeitura

O terreno é da prefeitura de Poá, mas foi utilizado há alguns anos pela Escola Nanci Cristina. Depois de reforma e ampliação da unidade, ele ficou sem uso. Ainda se encontra no local os postes de iluminação implantados na então escola.

Em abril de 2006, moradores do bairro já solicitaram à prefeitura mudanças no local. Numa audiência pública sobre o Plano Diretor, Márcia pedira que fosse construído um posto de saúde. José Francisco solicitara a limpeza do terreno e Irailda propusera que se construísse um hospital e alertou para o problema de drogas no local. Apesar das orientações e proposições, a administração do prefeito anterior, Roberto Marques (PTB), e do atual, Francisco Pereira de Sousa (PDT), o Testinha, só fizeram limpezas. A última, porém, foi feita há meses.

Há mais de um mês, a direção da Escola Nanci Cristina encaminhou ofício solicitando providências para a Secretaria de Serviços Urbanos. Sobre a situação e o documento, o Secretário da pasta, Carlos Tavares de Lima, o Léo, não tinha solução para o problema que ronda duas escolas e afeta centenas de alunos e moradores da região.


Léo disse que não saberia informar quando será feita limpeza, nem se seria realizada, pois não saberia dizer no momento se o terreno era ou não da prefeitura. Questionado sobre a propriedade, disse que os dados eram registrados em outro setor. “Quando os pedidos são feitos, primeiro o documento é encaminhado para a Secretaria de Obras, para verificar se o terreno é particular ou não”, disse ele. O secretário não soube informar do ofício da escola. “Como este, eu tenho outras centenas de ofícios que fazem solicitações”.

O secretário disse que não teria como responder datas para a escola ou qualquer outra repartição que solicitar, pois as máquinas estariam quebradas. “Para fazer limpeza de mato, a roçadeira está funcionando, mas para remoção de entulho, acho que o mecânico está consertando a máquina agora”, relatou. Sobre se o muro poderia ser fechado, ele também não tinha informação.

Léo disse, no entanto que agora os serviços melhorarão, pois no dia 6 de julho começaram a trabalhar 88 prestadores de serviço da Frente de Trabalho Municipal. Para ele, não basta a prefeitura fazer o serviço. “É necessário as pessoas se conscientizarem de não jogar lixos nos terrenos, estamos até pensando em fazer campanhas na cidade, comentou.

O secretário, contudo, esquivou-se de responsabilidades e as transferiu para a gestão anterior, a qual, segundo ele, teria deixado as máquinas em estado precário. Nos seis meses de governo, sabendo do problema, a atual administração não fez compra de máquinas novas. Os serviços em toda a cidade dependem, assim, do funcionamento das antigas. Quando estão quebradas, a cidade fica sem a prestação do serviço.


Publicado no jornal Novo São Paulo

08 julho, 2009

DIRETOR DE TURISMO RELATA PROJETOS

Por Leandro de Jesus

Nestaa quarta, dia 8 de Julho, o Diretor de Turismo da cidade de Poá, Fernando José Miranda, recebeu em seu gabinete Leandro de Jesus e Carlos Datovo, fez um balanço de seu trabalho e ouviu sugestões de projetos para o setor.

De acordo com Miranda, quando iniciou na pasta quase não havia projetos para o setor. A falta de estrutura era grande, alguns problemas já foram corrigidos, mas outros ainda continuam. "Não havia computador, nem internet tinha, faltavam técnicos da área. Os funcionários usavam meu gabinete para trabalhar com meu micro pessoal". Eu tinha que usar minha própria internet", informou.

O diretor relatou que hoje já há três micros no local, mas ele ainda trabalha com o seu particular. A diretoria também foi instalada num local mais adequado que o anterior. Hoje está num casarão alugado, com amplas salas, as quais também são utilizadas pelos grupos de teatro e dança da prefeitura.

Apesar da nova estrutura, a diretoria dispõe somente de um técnico na área. O próprio diretor disse preferir "trabalhar com quem não conhece mas tem vontade, do que com os que conhecem mas não a tem".

Miranda disse ainda que está tentando reestruturar o Conselho Municipal do Turismo, com novas eleições para em seguida promover o Fundo Municipal de Turismo. Segundo ele, está buscando junto ao Ministério do Turismo o Inventário Turístico do município e em breve fará a reabertura do Balneário Municipal.

Questionado sobre a falta de materiais promocionais da cidade no 4º Salão de Turismo - Roteiros do Brasil, Miranda respondeu com outra pergunta: "O que teríamos para apresentar"?. Os recursos da cidade realmente não se encontram estruturados para divulgação como atrativos, avaliou Leandro de Jesus.

O diretor de turismo falou ainda que tentou reestruturar o material divulgado em conjunto pelo Circuito Águas e Nascentes. Segundo Miranda, "o material apresentava, por exemplo, o Balneário, só que hoje ele ainda não pode ser visitado turisticamente". Por fim, falou dos projetos da Feira Permanente de Artesanato e da obra que será feita na Praça de Eventos.

Sugestões

Leandro de Jesus e Carlos Datovo informaram que muitos estão empenhados em ajudar a prefeitura, inclusive eles, mas gostariam de ter a confiança de que eles realmente pretendem seguir o que a população deseja. Carlos relatou a tristeza de ter feito diversas sugestões à prefeitura, "de coisas simples, pontuais, mas o prefeito não as acatou".

Nesta reunião, foram feitas sugestões para melhorias e promoção da EXPOÁ (Exposição de Orquídeas e Plantas Ornamentais), para que se possa aumentar o número de visitantes e a recepção seja com qualidade. Tratou-se também de melhor utilização da região das fontes, criando um parque, da organização de atrativos e roteiros na cidade e de uma festa específica sobre a água.

Por fim, cobrou-se do diretor de turismo que convoque a população e as pessoas interessadas no Turismo, para que haja participação popular nos projetos e desenvolva conceitos para melhoria do setor. Leandro e Carlos disseram ao diretor que entendem o Turismo com grande aliado na geração de emprego e renda, mas que é necessário que o poder público crie mecanismos para incentivar as comunidades e a iniciativa privada a participar dos projetos.

*Leandro de Jesus é formado em Turismo e é Secretário Geral do Psol/Poá
Carlo Datovo é professor e Presidente do PSOL/Poá

30 junho, 2009

ORQUESTRA: INSCRIÇÕES CONTINUAM ABERTAS

As inscrições para participação na Orquestra Municipal de Poá continuam abertas. Os candidatos podem se dirigir à diretoria de cultura, cuja sede é no Centro Cultural Taiguara, localizado na Alameda Pedro Calil, Centro.

A orquestra fará apresentação no próximo domingo, dia 05, no Arraiá Poaense. Os músicos tocarão antes do show do cantor Sérgio Reis.

Informações podem ser obtidas no tel 4639.2765.

PREFEITURA CRIA ORQUESTRA ELITISTA

A Diretoria de Cultura de Poá iniciou este ano várias novas ações, entre as quais está a criação da Orquestra Municipal. A participação nesse projeto, porém, é limitada e apresenta problemas desde seu começo.

De acordo com a mãe de um jovem músico, a inscrição para participação no grupo só é permitida para os que dispõe de instrumento musical. "Além de passar por uma difícil avaliação para demonstrar os conhecimentos", diz ela que não quis ser identificada. Alguns candidatos já são eliminados nesta primeira etapa.

As informações da obrigatoriedade do conhecimento musical e da necessidade de ter instrumento foram confirmadas com Sérgio Cardoso, instrutor da orquestra. Segundo Cardoso, há essa orientação "enquanto se aguarda os projetos de doações de intrumentos".

Cardoso disse ainda que uma possível alteração na limitação da participação de jovens somente será pensada após a Festa da Orquídea, que deverá ocorrer entre Agosto e Setembro.

Diante das condições exigidas, a Diretoria de Cultura impede que maior quantidade de jovens participe das ações do órgão. Jovens carentes não têm condições de comprar, por exemplo, um violoncelo cujo valor está acima de R$ 1000. Além desse custo, existe a manutenção, limpeza, afinação e aulas externas para aperfeiçoamento.

Neste momento não há também programa de remuneração, bolsa ou qualquer outro auxílio para os músicos participantes. Dessa forma, um projeto que poderia servir como escola para muitos e democratizar o acesso à cultura, inicia-se limitado para uma elite detentora das condições impostas.

Por Leandro de Jesus

29 junho, 2009

Conselho Municipal da Juventude

O prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha, criou por meio de decreto uma comissão permanente que terá como objetivo estudar, propor e assessorar as políticas públicas para a juventude. Como primeira medida, a comissão está suscitando o debate para a instalação na cidade do Conselho Municipal da Juventude.

Entre as ações da comissão está a realização de reuniões com jovens para divulgar e debater idéias sobre o novo Conselho. A última ocorreu dia 27 na EE. Padre Simon Switzar, com a presença de grêmios estudantis, alunos de diversas escolas e militantes dos direitos da juventude.

Tanto a criação da comissão como do conselho são ações importantes. É mais que urgente um debate sério com proposições e sistematizações de políticas para esse público alvo. A juventude de Poá, porém, deve ficar atenta à constituição do Conselho.

A história na cidade confirma a falta de democracia nas eleições dos conselhos. Comumente são transformados em peça de ficção. A fiscalização e a proposição de projetos na prática não são realizados, pois não há vontade em boa parte dos indicados dos executivo e legislativo. Provavelmente por gestão desses poderes, muitas vezes nem quórum há nas reuniões. Em outras oportunidades, a entrega de relatórios para análise é feita no último dia para que não haja a vistoria.

Neste momento, o esboço do projeto de lei a ser passado à prefeitura apresenta equívocos na indicação dos membros. Para não continuarem os problemas, a juventude precisa estar atenta ao chamado das reuniões e cobrar ampla divulgação das eleições, além de dar sugestões.

Por Leandro de Jesus

14 junho, 2009

Mobilidade no trânsito está cada dia pior

As obras do Rodoanel em Poá ainda não se iniciaram, mas a mobilidade no trânsito da cidade está complicada. Motoristas sofrem com diversos problemas nas vias principais.

As ruas e avenidas centrais têm curta largura, o que impede maior circulação de automóveis. Exemplos são as Ruas 26 de Março e a Avenida 9 de Julho, importantes ligações para o centro e para municípios vizinhos.

Além disso, o trânsito torna-se mais lento quando bicicletas ou mesmo pedestres ocupam as ruas. Buracos e falta de sinalizações com placas ou pinturas são constantes. Agora, há reclamações da disposição de lombadas, as quais em execesso e em locais indevidos, mais atrapalham que promovem a segurança. A liberação de estacionamento em zona azul em algumas ruas também é um escandâlo, como pode ser visto na rua Marina La Regina. Nesta via, no trecho onde é mão dupla, não há espaço para os veículos nos dois sentidos e os estacionados.

Algumas dessas situações que parecem pequenos problemas poderão ter sua dimensão aumentada quando da construção da parte leste do Rodoanel Metropolitanto. O único acesso da região a esta rodovia será por Poá. Prevê-se, portanto, um fluxo bem maior de veículos na cidade. Há que se fazer, assim, a correção imediata e a prevenção contra as dificuldades futuras.

Se as ruas têm pequena largura, é necessário que a prefeitura faça alterações e escolha prioridades. Ao decidir por ciclovias e calçadas mais largas, mesmo nessas vias pequenas, prioriza-se as seguranças do pedestre e ciclistas. Ao preferir pelos atuais estacionamentos, onde há cobrança de zona azul, o departamento de trânsito privelegia uma minoria que dispõe de veículos.

Ao passo que se construa ciclovias nas rua 26 de Março e 9 de Julho, por exemplo, a qualidade de vida da população melhorará, minimizando os riscos de acidentes e poderá agilizar o fluxo de automóveis, pois haverá maior espaço para a circulação. É importante também que haja guardas de trânsito organizando o trânsito, orientando quando necessário e punindo os infratores.

Não se pode deixar para fazer as obras quando mais acidentes ocorrerem ou quando o fluxo aumentar com a chegada do Rodoanel. É preciso que o poder público haja mais rápido e para isso é urgente a convocação da população para decisões importantes. O que seria o "governo de povo" em Poá só mostra os sinais de governo dos poucos, como sempre foi na cidade. Se o povo não participar as medidas serão burras.

22 maio, 2009

TESTINHA MANTÉM TERCEIRIZAÇÃO DA SAÚDE

Francisco Pereira de Souza, o Testinha (PDT), continuará com seu programa de terceirização nos serviços de saúde do município. O prefeito manterá uma gestora do Programa Saúde da Família (PSF) e contratará outra para administrar os serviços ambulatoriais de ortopedia no Hospital Municipal Dr Guido Guida.

Enquanto esteve na oposição ao governo Roberto Marques (PTB), Testinha foi grande crítico à gestão da maternidade municipal pela Fundação de Amparo ao Ensino e Pesquisa (Faep). Nos primeiros dias de governo, no entanto, permaneceu com as terceirizações ao designar a Instituição Assistencial Cristã Lar Mãe Mariana para gerir o PSF. Deu prosseguimento, em caráter emergencial, a uma forma de administrar que já havia demonstrado enormes equívocos no governo anterior.

O histórico no município dessas empresas contratadas são de diversos problemas nas relações trabalhistas dos profissionais. Houve situações desde contratações informais até a falta de pagamentos de salários. O atual Secretário da Saúde, Ali Sami El Kadri, contudo, confirma em entrevista ao jornal Diário do Alto Tietê que as precarizações continuam. Segundo El Kadri, médicos, dentistas e enfermeiros das Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF) são contratados como pessoas jurídicas.

O secretário teria dito também que em até dois meses será contratada a empresa que prestará os serviços médicos de ortopedia, no pronto-socorro municipal. Afirmou a seguir que nada impede de no futuro abrir concurso público. Essa frase demonstra certamente uma vontade política de não cumpri-la, pois do contrário já determinaria um prazo para sua realização.

Essa política de terceirização está viciada e deve ser combatida. O aumento das unidades do Programa Saúde da Família e a abertura do serviço médico de ortopedia é um importante ato da prefeitura, mas a forma como estão sendo gestados é merecedora de repúdio.

As precarizações nas relações trabalhistas devem ser banidas, principalmente por um órgão governamental. Mas se nota uma complacência com este tipo de prática. Além disso, há possibilidade de aumentar já que outra empresa será contratada. Outro problema é a convivência num mesmo ambiente de trabalho de profissionais concursados da prefeitura ou comissionados e terceirizados. Experiências desse tipo não trazem boas recordações das relações entre si dos trabalhadores.

Outra preocupação será a disponibilização de apenas um médico ortopedista para atender o ambulatório e permanecer de plantão. Se ocorrer a chegada de um caso grave e o especialista estiver realizando um consulta, deverá pará-la para atender o novo paciente. Isso é típico de uma gestão má planejada.

Importantes programas como esses anunciados tendem a ter sua qualidade reduzida através de terceirizações. A administração de Testinha opta, assim, por uma opção que certamente não traz esperanças de serviços melhores.