Mostrando postagens com marcador ONU. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ONU. Mostrar todas as postagens

26 setembro, 2015

Papa Francisco na ONU

Que tempos são estes em que dificilmente aparecerá na Assembleia da ONU algum governante com discurso mais progressista que o Papa Francisco?

- Denunciou o uso fraudulento da ONU para legitimar guerras. 
- Denunciou o sistema de crédito internacional que perpetua a pobreza
- Afirmou que a destruição do meio ambiente é promotora da desigualdade
- Falou ainda da cultura do descarte no sistema capitalista:

"A exclusão econômica e social é uma total negação da fraternidade humana e uma grave violação dos direitos humanos e do meio ambiente.

Os mais pobres são os que sofrem essas violações por três razões graves: são descartados pela sociedade, são ao mesmo tempo obrigados a viver do descarte e devem sofrer injustamente as consequências do abuso do ambiente. Esses fenômenos formam hoje a tão difundida e inconscientemente consolidada cultura do descarte".

Que tempos são estes ?

Por Leandro de Jesus
Foto: Matt Campbell /Lusa

26 abril, 2014

Marco Civil é aprovado. Falta a Banda Larga

Após anos de discussão pública, enfim o Marco Civil da Internet foi sancionado. Assinado pela Presidenta no último dia 23, no evento NETMundial, realizado em São Paulo, a lei estabelece direitos e deveres aos internautas e representa uma conquista da sociedade civil. Agora, falta ao governo promover, de verdade, um Plano Nacional de Banda Larga. O atual, não passa de conversa fiada.

Antes da sanção presidencial, o Marco Civil foi aprovado por unanimidade no Senado. A lei garante a liberdade de expressão, neutralidade da rede e privacidade. A lei, no entanto, poderia ser melhor. A neutralidade da rede, por exemplo, só será regulamentada posteriormente pelo governo e a privacidade está mais ou menos garantida. Os provedores terão de guardar as informações de acesso de todos os usuários durante seis meses, independente se há alguma suspeita ou não sobre o internauta. O governo garante que os dados serão inviolados. Mas, diante da pressão de lobbystas, de grandes empresas e na atual composição do Congresso Nacional, a lei foi a melhor possível no momento. Futuramente ela poderá ser melhorada.

Agora que há uma lei que regule esse universo e que garante estabilidade jurídica aos usuários e empresas, é necessário o principal: universalizar o acesso a internet. A ONU (Organização das Nações Unidas ) já se posicionou afirmando que a internet é um direito universal. Apesar disso, o governo pouco faz para democratizar o acesso. Em 2011, foi lançado o Plano Nacional de Banda Larga. Naquela época, o Blog de Poá já apontou as falhas e afirmava que não era suficiente.

O resultado desse plano temos hoje. Serviço caro e precário, velocidade lenta, além de estar longe de cumprir a meta de universalização. De que adiantará termos uma lei referência mundial, como o Marco Civil, se o dever de casa, democratizar o acesso e incluir digitalmente milhões de pessoas, não é feito?

Por Leandro de Jesus

24 setembro, 2013

Na ONU, Dilma denuncia espionagem dos EUA e pede marco internacional

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Em discurso na abertura da 68ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, a Presidenta Dilma fez forte discurso e denunciou aos países membros a espionagem internacional de dados e informações dispostos na internet, em ação liderada pelos EUA.

"Sem respeito a soberania não há base para o relacionamento entre nações. Estamos diante de um caso grave de violação de direitos humanos e das liberdades civis, da invasão e captura de informações sigilosas relativas a atividades empresariais e da soberania do meu país", disse a presidenta.

Dilma defendeu o estabelecimento de um marco civil multilateral para a governança e uso da internet e de medidas que garantam uma efetiva proteção dos dados