Julgamento do Lula - Com convicção

.
Depois da leitura das 218 páginas da sentença na qual Sérgio Moro condenou Lula, não resta dúvida da principal pergunta a ser respondida neste dia 24 de janeiro, quando ocorre o julgamento do recurso do ex-presidente no TRF-4: pode alguém ser condenado mais por convicção do que por provas?

Há muita torcida, muita militância, é verdade, mas há também análises bem criteriosas questionando as conclusões do juiz de Curitiba, sejam elas de articulista de esquerda, direita ou mesmo de juristas. O texto de Moro, que deveria ser essencialmente técnico, parece em muitos momentos com um manifesto político. É importante frisar: como pode um julgamento tão importante deixar tantas dúvidas, passear por meras ilações e deixar questões relevantes sem respostas?

A principal denúncia era de que Lula recebeu o apartamento no Guarujá como propina após beneficiar a construtora OAS em três obras da Petrobrás. Atenção: esta era a principal denúncia e elo central da acusação. Sabe o que o juiz disse como resposta aos embargos de declaração? Afirmou que em nenhum momento ele disse que o apartamento e as reformas seriam resultado direto de propina das obras Petrobrás. Logo, não demonstrou a origem da propina, se é que houve. Mais ainda, se a propina não tem origem na Petrobras, o processo estaria indevidamente sendo julgado na operação Lava Jato.

Mas há ainda mais falhas. Onde está a conta geral de propinas do Partido dos Trabalhadores? Os R$ 16 milhões alegados? Extratos, rastros, vestígios, malas, doações? A única prova seria a delação de Léo Pinheiro que teria conversado sem testemunhas com Vaccari, então tesoureiro do PT, momento em que teria sido combinado o uso de propina para pagamento do apartamento que seria, mas nunca foi, do Lula. Outra observação importante. Vaccari teria autorizado o uso da propina, mas sequer foi interrogado neste processo.

Outro detalhe curioso da sentença é a desqualificação das testemunhas de defesa. Moro diz que por falta de conhecimento do assunto, pouco teriam a contribuir. Mas na condenação Moro diz que Lula usou as nomeações na prática de corrupção. Logo, as testemunhas como membros do governo ou políticos são importantes testemunhas. Da mesma forma, ao ouvir testemunhas de acusação, alguns criminosos confessos, ele ressalta que teriam valor tais depoimentos.

Não se ignora desencontros de informações, de datas e documentos sobre o Triplex, bem como a reforma excepcional contratada pela construtora. Também não se ignora que Lula, como ex-presidente, e amigo do empresário da OAS, teria também um tratamento diferenciado. Não se ignora que Lula tinha interesse na compra do apartamento. E vamos além: não se ignora a promiscuidade das relações tanto do ex-presidente quanto de seu partido com as construtoras corruptas. Isso posto, não se pode condenar qualquer um sem provas. Não se condena nem com matérias de jornais ou com ignorância de como funciona as nomeações num governo de coalizão.

Outra questão importante neste momento do julgamento é a falsa polêmica de que se fere a democracia se Lula estiver ausente do pleito. Fere a democracia condenações sem provas ou espetáculos judicialescos, como muitas vezes ocorreu na Lava Jato. Este é o cerne da questão. Se em algum momento o ex-presidente agiu ilegalmente, que pague exemplarmente mas não parece o caso.


Apesar da longa sentença, e apesar de  Moro repetir que resta provada a corrupção, não se conseguiu demonstrar. Não se afirma isso com alegria, afinal importante operação deveria dar-nos somente orgulho, investigando, julgando e prendendo quem quer que seja. Mas não se pode fazer isso a qualquer custo, muito menos sem a demonstração cabal da culpabilidade dos réus. Resta agora ao TRF-4 restaurar a ordem pois a condenação de Lula não se sustenta.

Por Leandro de Jesus
Foto: Arquivo/Agência Brasil

0 comentários:

Clique e confira as promoções

Publ01