26 setembro, 2015

Papa Francisco na ONU

Que tempos são estes em que dificilmente aparecerá na Assembleia da ONU algum governante com discurso mais progressista que o Papa Francisco?

- Denunciou o uso fraudulento da ONU para legitimar guerras. 
- Denunciou o sistema de crédito internacional que perpetua a pobreza
- Afirmou que a destruição do meio ambiente é promotora da desigualdade
- Falou ainda da cultura do descarte no sistema capitalista:

"A exclusão econômica e social é uma total negação da fraternidade humana e uma grave violação dos direitos humanos e do meio ambiente.

Os mais pobres são os que sofrem essas violações por três razões graves: são descartados pela sociedade, são ao mesmo tempo obrigados a viver do descarte e devem sofrer injustamente as consequências do abuso do ambiente. Esses fenômenos formam hoje a tão difundida e inconscientemente consolidada cultura do descarte".

Que tempos são estes ?

Por Leandro de Jesus
Foto: Matt Campbell /Lusa

15 setembro, 2015

Impostos

De repente, todo mundo nas redes sociais ficou contra mais impostos. Vamos pensar, sair do raso, gente.

A tributação é um dos meios para garantir a justiça social e serviços públicos para todos. Ou como se sustentará um hospital público, uma escola ou o subsídio ao transporte ?

A questão mais relevante a que poderiam se dedicar é a respeito da forma como somos convidados a pagar a conta. É pelo método mais perverso que propicia aumento da iniquidade.

Pobres, proporcionalmente, já pagam mais impostos que as classes privilegiadas. Esse é nosso maior problema. Temos um governo, e um Congresso, vale dizer, que não são capazes de promover justiça pela tributação progressiva. Quem pode mais, deveria pagar mais.

A CPMF, por exemplo, é uma micharia no bolso. Não vale este barulho todo. O mais grave é um cidadão beneficiário de um programa social, por exemplo, pagar, na boca do caixa eletrônico, o mesmo valor que paga um milionário.

Os últimos sinais, no entanto, mostram que nada de justiça virá nesse arrocho fiscal. Infelizmente, agora era a hora mais apropriada. A CPMF foi pessimamente elaborada mas debater também os problemas nacionais olhando apenas para o umbigo, pouco ajuda.

Por Leandro de Jesus

Folha de S.Paulo: a serviço de quem ?

Em editorial neste domingo, o veículo da família Frias elege um título ameaçador: Última chance. Oras, que autoridade tem o jornal para assim dizer ? Mas isso é o de menos. Para quem diz estar a serviço do Brasil, são aberrações as medidas propostas:

- redução dos investimentos obrigatórios em saúde e em educação
- aumento da idade para aposentadoria
- ataque a programas sociais
- ataque ao salário do funcionalismo público
- aumento de impostos.

O jornal propõe uma capitulação completa do governo às políticas neoliberais que comprovadamente reduzem o Estado, pulveriza qualquer resto de serviço público decente e, como de costume, garante intocáveis os privilégios dos de sempre, a elite de rentistas da dívida pública, banqueiros e especuladores nacionais e internacionais.

Se assim o fizer, a Dilma Rousseff só restará o apoio de meia dúzia de bajuladores de plantão. Será insustentável até para quem ainda lhe apoia pela legítima vitória nas urnas.

Por Leandro de Jesus

Clique e confira as promoções

Publ01