#NãoVaiTerCopa é estrategicamente correto mas taticamente equivocado

.
É absolutamente correta, no sentindo de denunciar as mazelas, a estratégia de estratégia de tensionar diante dos bilhões em gastos públicos para custear um evento que demonstrou não deixar qualquer legado e, pior, que promoveu desalojamentos, mortes, redução de investimentos em áreas sociais prioritárias e enriqueceu, mais ainda, as construtoras e auxiliou no processo de especulação imobiliária.
Imagem: Anonymousbrasil
Os atos, no entanto, são taticamente equivocados quando se concentram em utilizar motes contra uma competição amada pelo povo ao invés de promover a denúncia direta contra os responsáveis pelos desvios, os governantes. Gritos, cantos, nomes, mensagens em faixas e em cartazes são atos simbólicos que dão tom a manifestações e a objetivos e demandas populares. O tom aqui está desafinado e não traz o povo para apoio às lutas. O povo não irá para a rua contra o futebol. Poucos são os grupos que procuram pedagogicamente explicar o sentido dessas lutas e convencer o povo a ir às ruas.

De modo geral, prefere-se falar da copa ou de direitos sociais genéricos e ocultam-se os responsáveis pela gastança irresponsável do erário. A quem interessa esconder um #ForaDilma, #ForaAlckmin #ForaAgnelo #ForaHaddad, entre muitos outros ?

Ocultar responsáveis e atacar uma competição popular apenas contribui para manutenção do status quo. A estratégia é correta mas a tática é equivocada.

Por Leandro de Jesus

0 comentários:

Publ01