Vereadora Jeruza ataca promotor e não quer remoção

.
Diante das mais recentes decisões da justiça que ordenou desocupação de centenas de imóveis em Poá, a vereadora Jeruza Lisboa Pacheco Reis (PTB) indignou-se com o assunto, atacou o promotor do caso e pediu intervenção parlamentar no Ministério Público (MP), como se tal ato fosse legal, e deseja que os moradores continuem no local, apesar de estudos técnicos indicarem alto risco de desabamento e alagamento nas regiões.                                                                                                             Foto: divulgação
A vereadora aprovou Moção de Apelo ao deputado André do Prado para que intervenha no GAEMA (Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público) e as solicitações sejam revistas. Advogada, a vereadora deve saber que o MP goza de independência e possíveis arbitrariedades deveriam ser denunciadas ao próprio órgão, que faria o devido processo administrativo.

A situação é preocupante e merece toda a atenção, inclusive o Blog de Poá já tratou sobre preservar-se a garantia de direitos dos moradores. Não se nega, contudo, que há dezenas de moradias em áreas de risco muito alto e que devem, sim, ocorrer desocupação. Se ocorrer um acidente nas chuvas de verão, de quem será a culpa?

A administração está sendo acusada de omissão pois já conhece o perigo desde 2006, período, inclusive, que a vereadora Jeruza fazia parte da prefeitura como Secretária de Assuntos Jurídicos da administração do Prefeito Roberto Marques (DEM).

No discurso, a parlamentar disse que visitou os locais. “Fui até lá, existem casas com escrituras, com IPTU, são moradias que se encontram em ruas pavimentadas. São famílias antigas da cidade que sofrem a iminência de serem retiradas de seus lares a troco de nada. É lamentável, não iremos engolir isso guela abaixo”, ponderou Jeruza.

“Fica aqui o meu apelo e meu repúdio a esse promotor. Temos de garantir a integridade, a segurança e a dignidade dessas famílias, que ficarão desalojadas, muitas sem ter para onde ir e a municipalidade terá de dar respaldo, abrigando essas famílias em pátios de escolas”, concluiu.

É notório que as moradias estão em áreas regularizadas pela prefeitura e devem merecer justa indenização, mas o caso deve se tratado de forma técnica. Deveria sim existir laudos mais recentes para precisar a exata quantidade de moradias a serem afetadas pela decisão, bem como aferir as obras para sanar os problemas já realizadas. Mas não é desqualificando a idade do promotor ou o local de sua residência, ou com ironias, como foi feito na sessão da Câmara, que se defende os moradores. Defende-os provando não haver mais perigo de ali residirem ou exigindo sim a imediata remoção e indenização, com intuito de prevenir mal maior, além da responsabilização civil e criminal dos agentes públicos que permitiram tais irregularidades. O resto não passa de retórica.

Por Leandro de Jesus

2 comentários:

Raquel disse...

e agora senhor PREFEITO SAIU DA MINHA CASA QUE PAGUEI E TENHO DOCUMENTAÇAO AH! QUASE ME ESQUESI AREA DE RISCO E PAGO IPTU ESTRANHO NÃO?

Ricardo Feitosa disse...

comprei o terreno com escritura a mais de 15 anos IPTU tudo pago em dia!!fiz minha casa gastei muito e não tem problemas algum,agora querem tirar eu e minha família da minha casa assim da noite para o dia e nos jogar em escolas??? mas não mesmo pode ter certeza que vai ser uma guerra se isso prosseguir.

Publ01