Bancos lucram quase R$ 60 bi mas demitiram 7 mil empregados

.
Além dos cortes, sistema financeiro mantém em alta a rotatividade de mão de obra para reduzir custos
Os bancos privados que operam no país fecharam 6.987 postos de trabalho entre janeiro e agosto de 2013, andando na contramão da economia brasileira, que gerou 1,07 milhão de novos empregos no mesmo período. Além dos cortes, o sistema financeiro mantém a rotatividade de mão de obra alta, mecanismo que os bancos usam para reduzir custos.

É o que mostra a Pesquisa de Emprego Bancário (PEB) divulgada pela Contraf-CUT, que faz o estudo em parceria com o Dieese, com base nos dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), do Ministério do Trabalho.

"Os dados mostram a fata de compromisso dos bancos, o setor que mais lucra no país. Na lógica perversa de gestão, a falta de funcionários disputa espaço com a cobrança por metas abusivas e o assédio moral. O resultado são trabalhadores que adoecem e se licenciam, cada vez mais, por conta do trabalho acumulado".
Segundo os dados, os bancos brasileiros contrataram 26.940 bancários entre janeiro e agosto e desligaram 30.314. No total do sistema financeiro, foram fechados 3.374 postos de trabalho. O Caged não discrimina a evolução do emprego por empresa; apenas por setor. A Caixa Federal apresentou um saldo positivo de 3.357 empregos nos primeiros oito meses do ano. E como o Banco do Brasil manteve o quadro de funcionários estável, fica evidente que os cortes nos postos de trabalho se concentram nos privados.
Rotatividade - A pesquisa Contraf-CUT/Dieese mostra que o salário médio dos admitidos pelos bancos entre janeiro e agosto foi de R$ 2.896,09, contra salário médio de R$ 4.550,64 dos desligados. Ou seja, os trabalhadores que entram no sistema financeiro recebem remuneração 36,4% inferior à dos que saem. Com isso, os bancos buscam reduzir suas despesas.

No sistema financeiro a concentração de renda é ainda maior. No Banco Itaú, por exemplo, os executivos da Diretoria receberam em 2012, em média, R$ 9,05 milhões por ano, o que representa 191,8 vezes o que ganha o bancário do piso. No Santander, os diretores embolsaram R$ 5,62 milhões no ano passado, o que significa 119,2 vezes o salário do caixa. E no Bradesco, que pagou R$ 5,0 milhões no ano a seus executivos, a diferença é de 106,0 vezes.

Ou seja, para ganhar a remuneração mensal de um executivo, o Caixa do Itaú tem que trabalhar 16 anos, o caixa do Santander 10 anos e o do Bradesco 9 anos.

Número de assalto a bancos dispara em agosto

A violência contra bancos que assusta bancários e clientes continua em alta no estado de São Paulo. O número de ocorrências de assaltos a bancos disparou de acordo com levantamento da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP).

Entre agosto de 2012 e 2013 o número de assaltos a bancos subiu de 12 para 30, aumento de 150%. A alta também foi registrada na capital, onde foram observadas 17 ocorrências em agosto deste ano contra sete no mesmo mês de 2012, o que representa crescimento de 143%.

Drama do trabalhador – Estabilidade após sequestro, assistência às vítimas de assalto ou sequestro, fim do transporte de chaves de agências ou cofres pelos bancários. Tudo isso é reivindicação da categoria bancária não atendida pelos patrões. E esses são alguns dos motivos da greve que começou no dia 19 de setembro.

Os números divulgados na quarta-feira pela SSP reforçam a insegurança vivida cotidianamente pelos trabalhadores e também por clientes.

Fonte: SBSP

0 comentários:

Publ01