Segunda manifestação pelo Passe Livre em Poá será nesta sexta, dia 21

.
Movimento não ficou satisfeito com redução de apenas R$ 0,10 no valor da passagem

O Movimento pelo Passe Livre, em Poá, realiza na próxima sexta-feira (21) a segunda grande manifestação pela redução das tarifas de ônibus no município. Os manifestantes não aceitam redução de apenas R$ 0,10, como foi proposto e já aplicado pelo Prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha. O grupo se reunirá, a partir das 18 horas em frente a Câmara Municipal.
Foto: Rodrigo Gonçalvez
Na última terça-feira, dia 18, ao menos 1000 manifestantes ocuparam as ruas de Poá exigindo mudanças no sistema de transporte público. No início da sessão da Câmara Municipal, o grupo leu uma carta de reivindicações e solicitou ao presidente Marquinhos Indaiá que protocolasse o documento na prefeitura.

O movimento pede redução imediata do valor da tarifa para R$ 1,00, devendo posteriormente chegar a zero, como ocorre em algumas cidades no Brasil e em diversas no mundo. Ao mesmo tempo, exigem Passe Livre aos estudantes e municipalização da empresa de transportes coletivos.

Os manifestantes querem ainda redução no tempo de espera, cobrador em todos os ônibus, com garantia de direitos trabalhistas e veículos adaptados a deficientes, em quantidade suficiente.

“É absurdo pagar R$ 3,10 numa cidade que tem apenas 17km2. É uma das tarifas mais caras do país considerando o tamanho do município. É de conhecimento de todos a alta receita do município de Poá. Neste ano, a arrecadação gira em torno de R$ 360 milhões. Como política social, é dever a Prefeitura investir no transporte e garantir a gratuidade no transporte”, diz a nota do movimento encaminhada à Câmara.

O movimento aponta ainda que o trajeto dos ônibus de Poá não percorre toda a pequena área da cidade. Se um cidadão for morador do bairro “Nova Poá”, área que faz divisa com a cidade de Ferraz de Vasconcelos, e precisar ir a ao Hospital, no Jardim Medina, terá de pagar por dois ônibus.

Muitas cidades investem no transporte subsidiando a passagem. Por exemplo, em São Paulo, a cada passagem paga pelo cidadão, a prefeitura paga outra parte. Por que Poá não faz isso? 

O passe livre é a garantia de pleno desenvolvimento social e intelectual da nossa juventude, propiciando o direito de ir e vir. Nossos estudantes devem ter o direito de se locomover na cidade de forma gratuita e com segurança.

Os manifestantes garantem não mais aceitar transporte público caro, precário e que penaliza o trabalhador diariamente. Assim como a saúde e a educação, o transporte é um direito inalienável do cidadão. O Transporte de qualidade é a garantia para poder exercer nossa cidadania na ida às escolas, no acesso à cultura, no percurso ao trabalho, no lazer.

0 comentários:

Clique e confira as promoções

Publ01