REUNIÃO SOBRE OBRAS EM ÁREA AMBIENTAL GERA POLÊMICA

.
Secretaria estadual de Meio Ambiente negou agenda na cidade

Atualizado 29/11 - 22:50h

A Prefeitura de Poá divulgou nota informando que o prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha (PDT) teria participado de reunião na cidade com o Secretário de Estado do Meio Ambiente, Bruno Covas, para tratar das obras embargadas em área ambiental no Jardim Santa Luiza. Após questionamentos sobre a veracidade da reunião, a Secretaria estadual informou que não houve agenda no município.
Divulgação
Os questionamentos sobre a simulação de reunião foram difundidas através das redes sociais. Claudete Bscanada, servidora da Secretaria de Meio Ambiente, informou que a referida reunião não havia acontecido conforme divulgado pela prefeitura. "O secretário esteve em São Paulo visitando um companheiro do partido e aproveitaram para levar o projeto da obra, mas em nenhum momento esteve em Poá. O Bruno nem sabia de nada, foi pego de surpresa nesta situação", esclareceu Claudete.

A matéria foi divulgada na imprensa regional como se fosse uma reunião oficial, realizada em 29 de outubro, e Covas iria trabalhar para liberar as obras. "O secretário Bruno Covas foi muito receptivo ao projeto e se prontificou a trabalhar para agilizar todo o processo, uma vez que, o mesmo é de extrema importância para a cidade", diz a nota da prefeitura



Segundo apurou o Blog de Poá, inclusive através de documentos,  embora em ambiente informal, na casa de um correligionário do tucano, houve sim uma reunião no bairro Cidade Kemel, divisa de São Paulo e Poá. Não se tratava de agenda oficial, como a prefeitura sinalizara, mas ela ocorreu e Covas tomou ciência dos problemas no terreno. Estiveram presentes o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Carlos Setsuo, que apresentou o projeto da escola a Covas e ainda Geraldo de Oliveira, Secretário de Governo.

No entanto, é possível notar o improviso do ato pois havia até integrante da conversa tomando lata de cerveja, quase em cima do projeto apresentado. 

A obra

A imagem da administração Testinha ficou muito manchada após o início das obras. O local trata-se de área de preservação. Para início da construção, foram cortadas dezenas de árvores e aterrada uma nascente.

A CETESB multou a prefeitura e bloqueou a continuidade das obras. O Ministério Público foi acionado para investigar as irregularidades do local. A matéria, porém, parece ter sido feita para amenizar as críticas sofridas pela administração municipal. Apesar da intervenção junto ao secretário, as obras continuam paralisadas

Por Leandro de Jesus

0 comentários:

Publ01