EM POÁ, PT SAI VITORIOSO NAS ELEIÇÕES

.
No cenário local o partido mostra fragilidade

Resultado das eleições na cidade de Poá mostra que o Partido dos Trabalhadores (PT) saiu vitorioso ao ter seus candidatos entre melhores colocados. São do partido os mais votados para Presidente, Senador e Deputado Estadual. Quando o assunto é eleição municipal o panorama é outro.

Dilma Rousseff obteve 43,49% dos votos para presidente, enquanto a segunda colocada, Marina Silva (PV) registrou apenas 28,93%. Na disputa para Governador, Aloizio Mercandante venceu com 42,43% dos votos, 5% a mais que Geraldo Alckmin. O PT ficou em primeiro no Senado com a candidata Marta Suplicy, 26%, logo à frente de seu companheiro de coligação, Netinho de Paula (PC do B), que registrou 25%. A sigla não teve o primeiro na eleição de Deputado Federal mas cinco candidatos ficaram entre os 20 mais votados na cidade. Com essa mesma quantidade entre os 20 mais a Deputado Estadual, o PT ainda teve José Candido como primeiro colocado para o legislativo paulista.

O capital político demonstrado nessas eleições, contudo, destoa da força do PT municipal. Até 2008, o partido tinha 2 representantes na Câmara de Vereadores mas nas eleições daquele ano não conseguiu coeficiente eleitoral para eleger novos parlamentares. Na eleição para o executivo, o partido teve problemas com a candidatura de Edson Barbosa. A Justiça Eleitoral acusou erro no período da desincompatibilização de sua função pública e o candidato passou a ser Doralício Monteiro, que obteve menos de 3 mil votos.

Vários motivos podem haver para essa divergência de poder político entre as eleições de 2008 e a de 2010. Um, no entanto, é o mais aparente. Há uma clara divisão entre dois grupos no Diretório Muncipal. Um circunda os ex-vereadores Edson Barbosa e Milton Bueno e o outro os também ex-vereadores Dorval Torres e Prof Rogério Mathias. A posição divergente faz com que os grupos trabalhem cada um para um lado, como exemplo da participação do PT assumindo secretaria na Prefeitura de Poá. O segundo grupo não conta com apoio do primeiro. O primeiro, por sua vez, atua na prefeitura de Suzano sem auxílio do segundo.

Assim, no cenário local onde há divergência de apoios, candidatos e projetos a soma dá negativa. No cenário nacional, as posições vem de instâncias superiores e os resultados foram positivo, de acordo com essa última eleição. Sem mudança interna, os fracos resultados tendem a se repetir para o PT poaense em 2012.

Por Leandro de Jesus

1 comentários:

Karina disse...

Essa segregacao que acontece no partido de Poá é muito simples, está escancarado para quem quiser ver.
Nas ultimas eleicoes na cidade o Rogerio Mathias teve o apoio do Eduardao tanto que na "colinha" o numero que deveria ser 13 estava em branco para ser preenchido com o numero 45. Assm como o Dorval apoiava o entao prefeito Roberto Marques.
A pergunta é como eles conseguem ter o poder do PT na cidade de Poá???
SE você tiver acesso aos filiados do PT em poá poderá ver que existem de 5-10 pessoas morando na mesma casa com enderecos diferentes e quando vamos as casas apenas 1 ou 2 moram na mesma... para que isso?? Votos dentro do partido...nao sabemos nem se essas pessoas moram mesmo em poá...mas qdo tem qualquer votacao que envolvam os filiados os votos sempre estao lá.
Agora me diga se é interessante que 2 grupos se juntem sendo que 1 deles deveria ficar omisso as falcatruas do outro?????
Esse é um problema mais sério que simplesmente sobre a forca do PT em Poá ok?

Publ01