25 setembro, 2010

ELEIÇÕES 2010. CANDIDATOS NA MÍDIA

Faltando apenas alguns dias para a realização das maiores eleições do Brasil, uma certeza todos tem. Esse pleito já é o que mais possibilitou a divulgação de candidatos, seja por meio das redes de tv, rádio ou internet. Isso é bom mas falta muito para que a democracia eleitoral seja realmente instalada.

Certamente nesse ano houve o maior número de debates entre candidatos à presidência. Tvs e associações católicas, diversos canais nacionais de tv e rádio e veículos de internet foram palcos dos embates. Diversas sabatinas em associações profissionais ou comerciais também apliaram as discussões de projetos. As redes sociais, por sua vez, como orkut, facebook, twitter e blogs cuidaram de disseminar calorosamente os ideais e polêmicas.

Diante desses meios de comunicação, os brasileiros puderam conhecer melhor os candidatos e saber mais de seus programas, além de observar como reagem a situações de pressão. Foi possível também conhecer aqueles que tem ideal de país, aqueles que só querem aparecer com propostas reprováveis e aqueles avacalham a política com um humor que não dignifica candidatos e desrespeita eleitores.

O fato mais claro, portanto, foram as ínúmeras oportunidades nas quais o eleitor pode ser melhor informado. Maiores que em qualquer outra eleição no país. Isso foi muito importante mas há muito que se melhorar. Se for realizada hoje uma pesquisa questionando quantos candidatos a presidência há, a maioria erraria. De modo geral, a mídia apresenta apenas 3 candidatos, quando democraticamente deveria mostrar os 9. Assim também ocorre na disputa dos outros cargos.

A justiça eleitoral peca em não obrigar que órgãos concessionários como as rede de tv não deem tempo igual a todos os candidatos. O próprio horário eleitoral gratuito é dividido de forma a manter em visibiliade, e por consequência, no poder, os mesmos que já detém mandato ou seus companheiros. Essa divisão, assim como repasses financeiros de verbas públicas a partidos políticos, não é nada igualitária.

Diante desse descompasso se mantém uma falsa democracia eleitoral. O que se tem na verdade é um sistema que exclui grupos com claro interesse manter outros nos governos ou legislativos. Infelizmente, a imprensa grande também contribui para manter o status quo.

Espera-se que novos políticos sejam eleitos e que consigam fazer uma reforma eleitoral adequada para uma democracia. A maioria dos que aí estão não demonstraram interesse em fazer isso. Enquanto as mudanças não vem, o uso das tecnologias da informática tem sido importante para divulgar projetos que antes eram totalmente escondidos. Usemos e abusemos, então.

Por Leandro de Jesus

23 setembro, 2010

METRÔ CIRCULOU COM PESSOAS NA LINHA

O incidente que deixou o Metrô de São Paulo parado na manhã da última terça-feira, dia 21, poderia ter causado graves acidentes. Para que os trens circulassem novamente, o Centro de Controle Operacional da empresa autorizou as partidas ainda com passageiros circulando nas passarelas de emergência que ficam ao lado dos trilhos.

A informação foi repassada por um funcionário da empresa que não quis se identificar. De acordo com o relato, a ordem dada era para que o maquinista transitasse em velocidade reduzida e buzinasse quando visse pessoas no local. Essa atitude contraria totalmente as normas internas de segurança da empresa, as quais regulamentam impedimento do trem para que circule nessa situação.

O Metrô confirmou ontem ao SPTV, da Rede Globo, as denúncias de que os problemas no trecho entre a estação Pedro II e Sé, na Linha Vermelha, são causados pela superlotação no horário de pico. Naquela região há uma curva e com o Metrô lotado há pressão sobre as portas fazendo com que uma mensagem de portas abertas seja repassada ao condutor. Imediatamente, o trem para e o maquinista tem de sair da cabine e verificar o problema na porta.

O Metrô não respondeu os questionamentos referente à denúncia.


Paralisação

O problema iniciou-se às 7h50 com a paralisação de duas composições entre as estações Pedro II e Sé. De acordo com o metrô uma blusa estaria impedindo o fechamento total da porta. Quando um funcionário verificava o problema, passageiros teriam apertados os "botões-socos" que permitem a abertura das portas. Os passageiros desceram e caminharam na passarela em direção à estação Sé. Neste momento, a compania desenergizou o trecho e em sequência toda a linha.

Os trens mais novos são equipados com ar-condicionado e as janelas são travadas. Com a desenergização os vagões ficaram quentes e os passageiros também teriam resolvido abrir as portas e caminhar nas passarelas e até sob os trilhos.

18 estações ficaram fechadas e 17 trens acabaram danificados. Ao menos 250 mil passageiros foram afetados diretamente.

Por Leandro de Jesus

18 setembro, 2010

GOVERNO LULA ENCERRA MANDATO COM MAIS ESCÂNDALOS

Apesar de ser um governo com alta popularidade, a administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) termina seu mandato com mais um escândalo no currículo. A demissão da ex-ministra Erenice Guerra é apenas mais uma de uma série de ministros e secretários que perderam ou saíram de suas funções em virtude de denúncias de corrupção.

Erenice Guerra, ex-chefe da Casa Civil, ministério mais importante do governo, pediu demissão após denúncias de propina, "lobby" e tráfico de influência envolvendo transações de seus parentes com empresas e o governo. Levantamento de O Estado de S.Paulo mostra que com essa são 9 os políticos de alto escalão que tiveram de deixar o governo em meio a escândalos de improbidade administrativa.

Apesar de muitos casos não terem sido julgados ainda, e não se poder dizer que foram culpados ou até mesmo que alguns fatos sejam verdadeiros, as demissões demonstram clara preocupação com possíveis desvios de conduta. A denúncia mais grave foi a do mensalão cuja consequência foi a demissão de outro ministro do Casa Civil, José Dirceu.

Sabe-se que há problemas de desvios na administração pública de todos os poderes e que os órgãos públicos tem o dever de coibir tais ações. O governo Lula não é o primeiro a escancarar os problemas mas termina o mandato deixando claro de que o espaço e órgãos públicos foram invadidos por atitudes privadas, que comprometeram a moralidade e a legalidade constitucionalmente exigidas. Facilidades e fechamento de olhos para o inchaço da máquina pública por aliados possibilitam a falta de controle. Assim é o governo Lula.

O governo acertou em diversas áreas mas nem por isso se pode esconder os erros. Pelo contrário, deve-se coibí-los. Se denúncias são infundadas, deve-se investigá-las e comprová-las, e não agir como fez Lula, ao ir na Tv e atacar a oposição como se fossem lançadora de falácias. Isso não é atitude de um chefe de Estado.

Veja lista de quedas no Planalto*

Chefe da Casa Civil. José Dirceu - saiu em 16 de junho de 2005 por suspeita de envolvimento no mensalão;

Assistência de Promoção Social. Benedita da Siva - Demissão em 21 de janeiro de 2004 por ter viajado para um encontro em Buenos Aires com verba pública;

Previdência Social. Romero Jucá - Saiu em 2005 acusado de fazer uso irregular de empréstimos do Banco da Amazônia;

Ministério da Fazenda. Antonio Palocci - Caiu em 27 de março de 2006 depois de denúncia do caseiro Francenildo dos Santos Costa sobre festas e partilha de dinheiro com a "República de Ribeirão";

Comunicação. Luiz Gushiken - Após o escândalo do mensalão e a CPI dos Correios se demitiu em novembro de 2006;

Minas e Energia. Silas Rondeau. Perdeu o cargo em maio de 2007 depois de ter sido apontado pela PF como suspeito de receber R$ 100 mil da construtora Gautama, alvo da Operação Navalha;

Relações Institucionais. Walfrido dos Mares Guia. Saiu por denúncia em envolvimento no caso do mensalão tucano, em novembro de 2007;

Promoção e Igualdade Social. Matilde Ribeiro - Caiu em fevereiro de 2008 por despesas irregulares com cartão corporativo

 * Fonte: O Estado de S. Paulo

Por Leandro de Jesus

10 setembro, 2010

VALDEMAR COSTA NETO FOI NOVAMENTE IMPUGNADO

Desta vez decisão ocorreu no TSE

Valdemar Costa Neto (PR) candidato à reeleição a deputato federal foi enquadrado na Ficha Limpa e teve sua candidatura impugnada em processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Recurso interposto pelo Partido Comunista Brasileiro e por Mario Berti Filho, após julgamento da candidatura no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE/SP), levou o pedido para análise no TSE, em Brasília. O registro foi analisado hoje pela vice-procuradora Sandra Cureau. Sua decisão impede a candidatura do deputado com base na lei Ficha Limpa.

Costa Neto renunciou ao mandato de deputado federal em agosto de 2005 para evitar processo de cassação e perder os direitos políticos. Na época, no então Partido Liberal (PL), ele declarou ter recebido em torno de R$ 6 milhões, que seria de doação para campanha não contabilizado oficialmente. Roberto Jeferson (PTB), no entanto, acusou que este valor seria do esquema do mensalão.

Com a renúncia, Costa Neto pode ser eleito novamento em 2006. Mas com a instituição neste ano da Lei Ficha Limpa, os candidatos que renunciaram a mandato para evitar cassação não podem disputar as eleições.

O parecer será agora votado em plenário e caso confirmado caberá recurso no Superior Tribunal Federal.

Por Leandro Jesus Gomes
atualizado em 11/09/2010, 14:37h

04 setembro, 2010

AS INCOERENTES DOBRADINHAS ELEITORAIS

A tradicional parceria no processo eleitoral entre dois candidatos a deputados é chamada de dobradinha. Um a deputado federal e o outro a deputado estadual unem-se com o objetivo de reduzir custos de campanha e ampliar a captação de votos. Num processo de vale-tudo, os candidatos chegam ao cúmulo de aliarem-se a opositores.

Um exemplo é a parceria entre Roberto Marques (PTB), candidato a deputado estadual, e Elaine Abissamra (PSB). Marques é candidato por um partido que não lançou coligação mas que apoia informalmente a candidatura a governador de Geraldo Alckimin (PSDB). O partido de Elaine, porém, fez coligação com o PSL e tem como candidato a governador Paulo Skaf, que também é de sua sigla. Para presidente, o PTB apoia Serra (PSDB) e o PSB aliou-se a Dilma Rousseff (PT).

José Candido (PT), candidato a deputado estadual também faz dobrandinha com Elaine. O PT, no entanto, tem Aloizio Mercadante como candidato a governador. Nesse caso, ambos só tem como apoio igual a candidatura à presidência de Dilma, já que para Senador seus respectivos partidos também lançaram nomes diferentes.

Valdemar Costa Neto (PR) é outro que faz dobradinhas estranhas. Em materiais de campanha, ele aparece ao lado de Heroilma (PTB). O primeiro apóia Mercadante e Dilma e a segunda a Geraldo e Serra.

Exemplos não faltam mas é certo que nesta salada eleitoral, temperada com dobradinhas entre opositores, sem vínculo partidário ou de coligação, as quais só fazem confudir a cabeça do eleitor, mostram como são frágeis ideológicamente nossos candidatos.

Como dar credibilidade a alguém que dobra com um político cujo objetivo é eleger o adversário? Como votar em parceiros cujos projetos de país são totalmente diferentes e aqueles que carregam tais propostas são ferozes concorrentes? As respostas são difíceis de encontrar. Provavelmente, nem os próprios candidatos que realizam tais malabarismo consigam.


 Por Leandro de Jesus

TRE LIBERA CANDIDATURA DE DATOVO E CANDIDO

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo - TRE/SP - confirmou nesta semana mais dois candidatos do Alto Tietê. As candidaturas a deputado federal do Prof Carlos Datovo (PSOL) e a de deputado estadual de José Candido (PT) foram liberadas. Eles aguardavam julgamento de recurso e agora estão livres de pendências na Justiça Eleitoral.

Tanto Datovo quanto Candido não haviam entregados todos os documentos exigidos para registro de candidatura. Negada em primeira instância, os advogados dos políticos entraram com recurso e juntaram no processo as certidões que faltavam.

O Juiz Moreira de Carvalho foi quem julgou o recurso de Datovo. A Juíza Clarissa Campos Bernardo foi a responsável pelo processo de Candido. Ambas decisões foram tomadas em 31 de agosto.

A candidatura de José Candido, no entanto, ainda está sob análise pois Israel Lacerda (PTB), vereador em Suzano, e candidato a deputado federal, impetrou recurso contra a liberação dessa candidatura. O TRE aguarda agora a defesa de Candido para que possa reavaliar o pedido de candidatura.

Por Leandro de Jesus

Clique e confira as promoções

Publ01