INFORME SOBRE GRIPE PODE ENGANAR POPULAÇÃO

.

No dia 29 de agosto, a prefeitura de Poá publicou em jornal da cidade informe referente as ações de prevenção à disseminação do vírus Influenza A (H1N1). Além de mal redigido, o texto passa mensagem que não traduz a realidade de combate à doença.

O informe em seu início trata do afastamento de funcionárias gestantes. Em seguida, relata a edição de materiais informativos, des ações que seriam preventivas e do cancelamento da EXPOÁ.

O ítem preocupante nesse texto foi a informação de que "em Poá a nova gripe está totalmente controlada". Tal mensagem não tem respaldo em dados de infectados e mortos, divulgados pela Secretaria estadual ou pelo Ministério da Saúde e contraria sugestões desses órgãos na forma de orientar a população.

A cada semana, novos casos de contaminados pela gripe são confirmados na região. De acordo com o último levantamento, 96 pessoas estariam com o vírus. No restante do país, porém, a tendência é de queda. O número de novos casos graves tem diminuído nas três últimas semanas. A Organização Mundial de Saúde demonstra cautela e informa não ser possível identificar o quanto a doença pode aumentar no mundo.

O Estado de São Paulo apresenta no país a 3ª maior taxa de mortalidade por 100 mil habitantes. Já o Brasil tem a 6ª entre os 15 países com maior número de mortos.

Diante de tal contexto, considerando que o vírus pode ser transmitido por tosse, espirros, ou por toque em área que esteja contaminada, é equivocado informar que a gripe estaria totalmente contralada na cidade. Essa informação pode levar a cidadãos a diminuirem atitudes preventivas quando elas devem ser mais promovidas.

Dessa vez, a prefeitura seguiu contrariamente às orientações dos órgãos sanitários e cometeu um grave erro que desorienta a população. A propaganda não educou nem recomendou medidas de prevenção. Transmitiu-se uma falsa idéia de controle que não é passível de ser realizado no momento.

Espera-se que a propaganda não seja repetida, pois erros em questões de saúde podem ser fatais.

Redação

Por se tratar de um texto que deveria ser informativo, estava mal redigido. Orações desconexas e não coesas. Os assuntos foram dispostos aleatoriamente. Vírgula estava onde deveria ser ponto. Péssimo exemplo prestou a administração pública.

0 comentários:

Publ01