29 agosto, 2009

POLÊMICA SOBRE EXPOÁ CONTINUA

Após a prefeitura de Poá informar o cancelamento da EXPOÁ (Exposição de Plantas Ornamentais e Orquídeas) 2009, em razão da disseminação do vírus A H1N1, debates acalorados sobre a decisão tomaram conta em comunidade sobre a cidade no "orkut", na rede mundial de computadores - a internet. Questiona-se se foi uma decisão populista ou técnica.

Alguns participantes alegam que a decisão foi política e que provavelmente em ano de eleição a festa não seria cancelada. Outros concordam que se deve ter prudência. Os contrários à decisão dizem que a EXPOÁ seria muito esperada e a não realização eliminaria uma das poucas opções de lazer programadas na cidade.

Apesar de outras cidades não cancelarem festas, como em Arujá, Guararema, Suzano e a famosa festa de peão de Barretos, a prefeitura de Poá age de forma correta seguindo inclusive sugestões do governo federal.

De acordo com a assessoria do Ministério da Saúde, "há riscos de transmissão do vírus em local aberto, sendo que em locais fechados o risco é bem maior". A EXPOÁ tradicionalmente vem sendo organizada nos galpões e em tendas disponibilizadas na Praça de Eventos. Milhares de pessoas costumam visitar o espaço, fato que poderia potencializar a disseminação do vírus.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, em locais abertos deve-se seguir, "a princípio, as mesmas recomendações de ambientes fechados. Evite aglomerações de pessoas e procure ambientes com maior ventilação, sugere a pasta.

O vírus é novo e toda precaução por parte de órgãos governamentais é importante. A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou que o H1N1 se dissemina numa velocidade muito alta e o total de contaminados já supera os que estão com gripe sazonal.

Diante desse cenário, é importante o cancelamento da EXPOÁ como medida de prevenção. Independente dos reais motivos que levaram a prefeitura a tomar tal decisão, ela está tecnicamente correta.

Por Leandro de Jesus

24 agosto, 2009

DENEVAL DIAS E EX-VEREADORES SÃO CONDENADOS

De acordo com dados do "Diário de Suzano, juiz condenou-os por viagem irregular

O juiz de direito do Fórum de Poá, Alessander Marcondes França Ramos, condenou o vereador Deneval Dias (PRB) e outros oito vereadores da legislatura 93 a 96 a devolver ao Poder Legislativo verba utilizada indevidamente no III Congresso Internacional de Direito Administrativo, realizado em Foz do Iguaçu, entre os dias 8 e 11 de setembro de 1993.

A ação movida pelo ex-vereador Milton Bueno de Almeida (PT) condenou também Adelir dos Santos, Edson Vieira Pires, Itamar Firmo da Cruz, José Alves da Silva, Laureano Rosal, Milvio Sanches Baptista, Ramon Ruiz Lopes Filho e Osvaldo Leite Dantas.

Os envolvidos deverão devolver aos cofres públicos valores com juros e correção monetária.

Leandro de Jesus

PREFEITURA LIMPA TERRENO

Após matéria publicada no Jornal Novo São Paulo ( veja abaixo http://poa-sp.blogspot.com/2009/07/escolas-sofrem-com-terreno-da.html ), a prefeitura municipal realizou limpeza de terreno público.

A área está localizada entre as escolas Nanci Cristina do Espírito Santo e Manoel Petronílio do Santos, no Jardim Áurea. Na ocasião, o Secretário de Serviços Urbanos, Carlos Tavares, o Léo, não havia indicado data para limpeza e fim dos problemas da comunidade.

Pouco tempo após a publicação, o terreno foi limpo, mas ainda restou um problema. O muro não foi fechado, o que permite novamente que pessoas joguem lixo ou adentrem ao terreno para usar drogas ou invadir as unidades escolares.

Está dado o alerta para que a prefeitura resolva o problema completamente.

Leandro de Jesus

18 agosto, 2009

SESSÃO DA CÂMARA É APÁTICA

Idealmente, uma Câmara de Vereadores e legisladores servem para cumprir algumas das mais nobres tarefas de uma sociedade. Debate sério dos problemas coletivos, fiscalizar a legalidade de ações do executivo e propor leis que promovam a melhoria das relações entres os cidadãos são algumas dessas tarefas, mas a Câmara Municipal de Poá parece não entender sua importância.

Na última sessão do dia 11, salvo raras excessões, pode-se acompanhar cenas de marasmo, falta de respeito com cidadãos presentes ou mesmo de preparo para exercer a digna função.

De início, o vereador Mario Sumirê (DEM) leu o expediente, mas a maioria dos vereadores nem sequer prestou atenção ao que se falava. Exemplos de Wellington Lopes (PTB) e Tonho (PDT). A seguir, alguns vereadores utilizaram a Tribuna. Lauriston (PV) fez homenagem ao judoca poaense Matheus. Apesar de merecida, poderia ter sido marcado sessão especial e não realizada na ordinária, quando assuntos complexos e polêmicos devem estar na pauta.

Sumirê fez levantamento de pontos positivos e negativos, em bairros, em relação às ações da prefeitura. Passou apenas os dados e não concliu. Para que servem dados se não se concretiza em análise crítica? O trabalho do vereador ficou incompleto, então.

Agora resta uma dúvida. Vários vereadores não usaram a tribuna. Será que não há assunto importante numa cidade com 110 mil habitantes para se tratar a cada semana? Dessa forma, os vereadores parecem estar distante da realidade. Fora os já citados, o vereador Junior da Locadora (PV) e Deneval Dias (PRB) também foram os únicos que falaram na tribuna.

Mais desrespeitoso ainda são as conversas entre o pares quando um está na tribuna. Além disso, naquela sessão, o presidente da casa, Ricardo Massa (PP) e Tonho (PDT)passaram quase todo o período, aberto aos vereadores discusarem, do lado de fora do plenário. Isso é desrespeito com os colegas. Deveria haver assunto muito importante, pois só isso motivaria largar o plenário na única sessão da semana, imagina-se.

Alguns projetos de lei foram inclusos do forma urgente na ordem do dia. Um deles, do Junior, iria ser aprovado por unanimidade, sem que todos conhecessem do que se tratava, como demonstrou Edson Rodrigues (DEM). Junior, no entanto, se dispôs a explicar, mesmo sem pedidos.

As conversas paralelas, as saídas do plenários, a falta de assunto para debater, o desinteresse com a pauta do dia são no mínimo falta de respeito para com aqueles que comparecem ao local para assistir à sessão. Mais ainda, com todos o poaenses. Repete-se. Só ocorre uma vez por semana e a maioria deles não consegue apresentar um debate público de alto nível nas sessões.

Só não sei afirmar o que é maior. Falta de respeito ou de competência?

Por Leandro de Jesus

17 agosto, 2009

WILLIAM HARADA É NOMEADO EM SANTO ANDRÉ

Ex-Secretário de Finanças de Poá, investigado pela PF, foi nomeado pelo governo do PTB

O presidente da Comissão de Concursos de Projetos para Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) da Secretaria de Saúde em Santo André, William Sérgio Maekawa Harada, nomeado em 27 de julho, é citado em ação contra a prefeitura de Poá, acusada de superfaturamento na compra de ambulâncias. Harada exerceu os cargos de secretário de Administração e de Finanças durante o governo de Roberto Marques (PTB), entre 2005 e 2008.

Segundo o ex-secretário, seu nome consta no processo, mas não como réu. "Não existe nada relacionado à minha pessoa. Fiz parte do governo e existia uma verba federal desde 2004 para compra de uma ambulância. A verba já vinha da gestão anterior e, pelas pressões políticas que sofremos, fizemos a compra do veículo por um valor entre R$ 60 e R$ 80 mil, não lembro exatamente. Tudo isso ocorreu na época das investigações da Máfia das Ambulâncias, por isso, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar", explicou.

texto completo em http://www.dgabc.com.br
Clébio Cantares
Do Diário do Grande ABC

09 agosto, 2009

PODER PÚBLICO RESTRINGE DEBATE SOBRE RODOANEL

Apesar da importância e dos efeitos que a futura obra do Rodoanel causará na cidade, os poderes públicos eleitos em Poá limitam o debate e não convocam a população a opinar.

A prefeitura montou um grupo reduzido de pessoas para discutir e elaborar sugestões ao prefeito a respeito da obra. A Câmara Municipal não constituiu sequer comissão sobre o tema.

A população só pode participar de forma concreta e objetiva na Audiência Pública promovida pelo DERSA, em julho. O evento é uma das obrigações existentes para que o Coselho Estadual de Meio Ambiente libere a construção da estrada. Ressalta-se, porém, que esse evento não é das melhores formas para a população entender e participar das decisões. As explanações dos órgãos envolvidos são muito técnicas e a proposição de sugestões é reduzida pelo tempo e não pode ser debatida.

Vereadores comentam vagamente sobre o tema nas sessões. O prefeito divulga na imprensa seus pedidos para compensar as alterações que a cidade sofrerá. Nenhum debate sério, no entanto, é convocado pelos poderes. Seminários, conferências, reuniões ou mesmo palestras poderiam levar a população para discutir a tão importante obra.

A população têm de estar informada sobre os desdobramentos da aprovação do traçado e tem o direito de opinar e questionar. Ambos poderes não demonstram interesse para que isso aconteça. Eles têm grande oportunidade para promover a participação popular em questões decisivas, mas mais uma vez estão deixando a oportunidade passar.

Há ainda muitos pontos importantes a serem debatidos. Onde a população desalojada ficará hospedada se no município há poucas casas disponíveis para aluguel? Onde serão construídos os prédios do CDHU? Como será oferecida a infra-estrutra (escolas, creches, postos de saúde, transporte público) no local?

Não faltam motivos para se ampliar o debate, ou promovê-lo seriamente, de forma ampliada e coletiva. Falta, pelo visto, vontade do poder público.

Por Leandro de Jesus

01 agosto, 2009

TRECHO LESTE DO RODOANEL AMEAÇA MAIS DE 10 ESPÉCIES DE AVES EM EXTINÇÃO


Lista de aves em extinção ameaçadas pelo Rodoanel pode ser ainda maior, pois o estudo de fauna durou apenas 10 meses

Aves inclusas na lista de extinção do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA) estão sendo ameaçadas pelo traçado das obras de construção do Trecho Leste do Rodoanel.

De acordo com o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima), apresentado pelo Desenvolvimento Rodoviário SA (DERSA), foram detectadas em campo, na área do traçado do Trecho Leste, dez espécies de aves em extinção.

De acordo com o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental – PROAM, Carlos Bocuhy, o número de aves localizadas nestas áreas e, que constam na lista de animais ameaçados de desaparecer da fauna brasileira, pode ser ainda maior, pois os estudos encontraram, além das dez espécies em campo, outras 12 que foram consideradas como ocorrência provável a partir de dados secundários.
“O estudo de fauna das regiões que contemplam o traçado do Trecho Leste do Rodoanel foi realizado apenas durante dez meses, neste período aves migratórias podem ter sido excluídas da lista de animais encontrados”, esclareceu Bocuhy.

O ambientalista informou que, além das 22 espécies supracitadas, mais oito espécies de aves em extinção podem ser encontradas nas regiões das obras do Rodoanel.
“Existe a possibilidade de encontrarmos mais quatro espécies de aves pelo traçado do Rodoanel, devido ao bioma. E, mais quatro nas áreas próximas da Represa Billings”, explicou.

Bocuhy detalhou que as aves que estão na lista de animais em extinção e que foram encontradas no traçado do Techo Leste do Rodoanel são: Pavó, Jacuaçu, Gavião-pega-macaco, Papagaio-verdadeiro, Pica-pau-dourado, Macuquinho, Araponga, Tico-tico-do-banhado, Pixoxó e Carretão.

Já as aves que não foram catalogadas pelo EIA/Rima da DERSA e, possivelmente, podem ser encontradas nas regiões do traçado são: Maçarido-pintado, Gavião-pombo-pequeno, Sabiá-cica e Cigarra-verdadeira. Entre as espécies que podem ser encontradas da várzea do Tietê e Billings estão: Garça-real, Gavião-asa-de-telha, Carqueja-de-bico-manchado e Maçarico-do-campo.

Fonte: http://www.proam.org.br

Clique e confira as promoções

Publ01