24 julho, 2009

BILHETE ÚNICO MAIS UMA VEZ ADIADO

O prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha (PDT), mudou mais uma vez o prazo para instalação do bilhete único no transporte coletivo municipal. As diversas mudanças de prazos e o não cumprimento de metas deixam o administrador desacreditado.

A primeira promessa em relação ao transporte público foi feita logo após sua eleição. Para a imprensa, divulgou que em janeiro passado já haveria um bilhete integrado único entre as linhas municipais de Poá e Ferraz de Vasconcelos. Além disso, já no primeiro semestre a tarifa seria reduzida. Prometeu em sua campanha que o preço seria de R$ 1,70 e duas novas rodoviárias seriam construídas.

Perto de completar seis meses de governo, Testinha disse que em Julho os munícipes poderiam aproveitar do benefício. O mês está terminando e agora nova promessa foi realizada. De acordo com o jornal Diário do Alto Tietê, ficará para agosto o lançamento, pois um projeto de lei estaria sendo debatido na Câmara Municipal.

Essas constantes mudanças de datas e não cumprimento de promessas só demonstram que o prefeito ou não se atenta aos entraves burocráticos que projetos têm para serem efetivados ou não tem responsabilidade ao lançar espectativas para os cidadãos poaenses.

De concreto, os usuários de transporte coletivo permanecerão tempo maior sem o benefício do bilhete e aguardam ainda a efetivação da redução do preço da passagem. Se foi prometido, o povo acreditou e o elegeu, deve cumprir.

Aguardaremos e cobraremos!

Leandro de Jesus

21 julho, 2009

"SITE EM CONSTRUÇÃO"

É esta mensagem que se encontra ao buscar informações sobre a administração ou a cidade no sítio da prefeitura de Poá, na internet. Após questionamento neste blog da falta de atualização, o sítio foi retirado do ar, há quase três meses, e nada mais foi publicado.

Ná página resta um trecho que diz "mais transparência", mas é justamente isso que está faltando. Não há motivos para tanta demora em colocar um sítio no ar. Muito pelo contrário. Grandes portais da rede mundial de computadores têm suas páginas totalmente reformuladas sem a necessidade de sua retirada total.

A prefeitura presta um desserviço aos cidadãos com a não disponibilização de dados oficiais por este meio de comunicação. O governo de Testinha caminha na contramão daquilo que propôs na campanha eleitoral: publicidade dos atos oficiais.

Espera-se que outras ações do executivo não sejam tão demoradas como esta, pois se assim for, serão 4 anos de poucos projetos e de uma população descontente.

Por Leandro de Jesus

20 julho, 2009

ESCOLAS SOFREM COM TERRENO DA PREFEITURA

Apesar de informada, a Secretaria de Serviços Urbanos não toma providências

Um terreno abandonado de propriedade da prefeitura de Poá, localizado entre a Escola Estadual Nanci Cristina do Espírito Santo e a Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Manoel Petronílio do Santos, tem causado problemas para as unidades e para a comunidade do bairro Jardim Áurea. A prefeitura foi avisada, mas não atendeu a solicitação.

O local está tomado por mato, lixo, fezes, móveis velhos, roedores, baratas e animais mortos. O odor é forte e o mato está alto. Há também árvores grandes no local. Além disso, o muro do terreno faz divisa com as escolas, mas na Rua Jorge Tibiriçá há abertura por onde entram pessoas e por onde são jogados os objetos. Jovens da região servem-se do terreno para usar drogas, invadir e apedrejar as escolas.

“À noite os jovens entram no terreno, usam drogas, observam tudo que acontece dentro da escola e invadem-na para fazer bagunça”, avalia Pedro de Sousa Santos, coordenador pedagógico da Escola Nanci Cristina. Do terreno, é possível visualizar as pedras jogadas pelos jovens no telhado da escola. De acordo com Santos, é comum eles fazerem isso, porém “no escuro não é possível identificá-los, além disso, quando vamos verificar eles saem correndo”.

A direção da unidade escolar informou ainda que algumas vezes é necessário chamar a Polícia Militar para tirar os jovens de dentro do páteo. Na Escola Manoel Petronílio, os problemas não são muito diferentes. Apesar de quase não haver invasões, o vandalismo sempre foi constante.

De acordo com Cintia Coronado, diretora da escola, sempre houve o apedrejamento. “Eles quebravam muitos vidros e telhados. Já jogaram pedras inclusive no meu carro. Hoje a intensidade diminuiu, pois foi erguida uma grade ao lado do muro do terreno”, disse a diretora. Cintia informou ainda que no início do ano a prefeitura fez a manutenção dos vidros e telhados.

A diretora Cintia tenta minimizar os problemas da invasão abrindo a escola para comunidade. “Sempre que querem praticar esportes, nós deixamos os jovens utilizar a quadra”, conclui.

Para Santos, uma solução seria a construção de uma área de lazer. “Deveriam ser construídas quadras esportivas, mas que houvesse também um programa de treinamento e organização. A prefeitura teria que atuar ativamente no local. Deixá-la sem atenção só traria os mesmos problemas”, diz o coordenador.

Prefeitura

O terreno é da prefeitura de Poá, mas foi utilizado há alguns anos pela Escola Nanci Cristina. Depois de reforma e ampliação da unidade, ele ficou sem uso. Ainda se encontra no local os postes de iluminação implantados na então escola.

Em abril de 2006, moradores do bairro já solicitaram à prefeitura mudanças no local. Numa audiência pública sobre o Plano Diretor, Márcia pedira que fosse construído um posto de saúde. José Francisco solicitara a limpeza do terreno e Irailda propusera que se construísse um hospital e alertou para o problema de drogas no local. Apesar das orientações e proposições, a administração do prefeito anterior, Roberto Marques (PTB), e do atual, Francisco Pereira de Sousa (PDT), o Testinha, só fizeram limpezas. A última, porém, foi feita há meses.

Há mais de um mês, a direção da Escola Nanci Cristina encaminhou ofício solicitando providências para a Secretaria de Serviços Urbanos. Sobre a situação e o documento, o Secretário da pasta, Carlos Tavares de Lima, o Léo, não tinha solução para o problema que ronda duas escolas e afeta centenas de alunos e moradores da região.


Léo disse que não saberia informar quando será feita limpeza, nem se seria realizada, pois não saberia dizer no momento se o terreno era ou não da prefeitura. Questionado sobre a propriedade, disse que os dados eram registrados em outro setor. “Quando os pedidos são feitos, primeiro o documento é encaminhado para a Secretaria de Obras, para verificar se o terreno é particular ou não”, disse ele. O secretário não soube informar do ofício da escola. “Como este, eu tenho outras centenas de ofícios que fazem solicitações”.

O secretário disse que não teria como responder datas para a escola ou qualquer outra repartição que solicitar, pois as máquinas estariam quebradas. “Para fazer limpeza de mato, a roçadeira está funcionando, mas para remoção de entulho, acho que o mecânico está consertando a máquina agora”, relatou. Sobre se o muro poderia ser fechado, ele também não tinha informação.

Léo disse, no entanto que agora os serviços melhorarão, pois no dia 6 de julho começaram a trabalhar 88 prestadores de serviço da Frente de Trabalho Municipal. Para ele, não basta a prefeitura fazer o serviço. “É necessário as pessoas se conscientizarem de não jogar lixos nos terrenos, estamos até pensando em fazer campanhas na cidade, comentou.

O secretário, contudo, esquivou-se de responsabilidades e as transferiu para a gestão anterior, a qual, segundo ele, teria deixado as máquinas em estado precário. Nos seis meses de governo, sabendo do problema, a atual administração não fez compra de máquinas novas. Os serviços em toda a cidade dependem, assim, do funcionamento das antigas. Quando estão quebradas, a cidade fica sem a prestação do serviço.


Publicado no jornal Novo São Paulo

08 julho, 2009

DIRETOR DE TURISMO RELATA PROJETOS

Por Leandro de Jesus

Nestaa quarta, dia 8 de Julho, o Diretor de Turismo da cidade de Poá, Fernando José Miranda, recebeu em seu gabinete Leandro de Jesus e Carlos Datovo, fez um balanço de seu trabalho e ouviu sugestões de projetos para o setor.

De acordo com Miranda, quando iniciou na pasta quase não havia projetos para o setor. A falta de estrutura era grande, alguns problemas já foram corrigidos, mas outros ainda continuam. "Não havia computador, nem internet tinha, faltavam técnicos da área. Os funcionários usavam meu gabinete para trabalhar com meu micro pessoal". Eu tinha que usar minha própria internet", informou.

O diretor relatou que hoje já há três micros no local, mas ele ainda trabalha com o seu particular. A diretoria também foi instalada num local mais adequado que o anterior. Hoje está num casarão alugado, com amplas salas, as quais também são utilizadas pelos grupos de teatro e dança da prefeitura.

Apesar da nova estrutura, a diretoria dispõe somente de um técnico na área. O próprio diretor disse preferir "trabalhar com quem não conhece mas tem vontade, do que com os que conhecem mas não a tem".

Miranda disse ainda que está tentando reestruturar o Conselho Municipal do Turismo, com novas eleições para em seguida promover o Fundo Municipal de Turismo. Segundo ele, está buscando junto ao Ministério do Turismo o Inventário Turístico do município e em breve fará a reabertura do Balneário Municipal.

Questionado sobre a falta de materiais promocionais da cidade no 4º Salão de Turismo - Roteiros do Brasil, Miranda respondeu com outra pergunta: "O que teríamos para apresentar"?. Os recursos da cidade realmente não se encontram estruturados para divulgação como atrativos, avaliou Leandro de Jesus.

O diretor de turismo falou ainda que tentou reestruturar o material divulgado em conjunto pelo Circuito Águas e Nascentes. Segundo Miranda, "o material apresentava, por exemplo, o Balneário, só que hoje ele ainda não pode ser visitado turisticamente". Por fim, falou dos projetos da Feira Permanente de Artesanato e da obra que será feita na Praça de Eventos.

Sugestões

Leandro de Jesus e Carlos Datovo informaram que muitos estão empenhados em ajudar a prefeitura, inclusive eles, mas gostariam de ter a confiança de que eles realmente pretendem seguir o que a população deseja. Carlos relatou a tristeza de ter feito diversas sugestões à prefeitura, "de coisas simples, pontuais, mas o prefeito não as acatou".

Nesta reunião, foram feitas sugestões para melhorias e promoção da EXPOÁ (Exposição de Orquídeas e Plantas Ornamentais), para que se possa aumentar o número de visitantes e a recepção seja com qualidade. Tratou-se também de melhor utilização da região das fontes, criando um parque, da organização de atrativos e roteiros na cidade e de uma festa específica sobre a água.

Por fim, cobrou-se do diretor de turismo que convoque a população e as pessoas interessadas no Turismo, para que haja participação popular nos projetos e desenvolva conceitos para melhoria do setor. Leandro e Carlos disseram ao diretor que entendem o Turismo com grande aliado na geração de emprego e renda, mas que é necessário que o poder público crie mecanismos para incentivar as comunidades e a iniciativa privada a participar dos projetos.

*Leandro de Jesus é formado em Turismo e é Secretário Geral do Psol/Poá
Carlo Datovo é professor e Presidente do PSOL/Poá

Publ01