23 abril, 2009

SITIO DA PREFEITURA COMEMORA ANIVERSÁRIO: 1 ANO SEM ATUALIZAÇÃO

O sítio oficial da prefeitura municipal de Poá na rede mundial de computadores faz aniversário. Não é de tempo no ar, mas de falta de atualização. Não é para se comemorar, mas para questionar.

O descaso da administração municipal para com este meio de comunicação existe desde sua criação, no governo de Roberto Marques (PTB). Pouca atenção fora dispensada a ele. Somente eram disponibilizadas algumas matérias elaboradas pela assessoria de imprensa e esporadicamente informações de campanhas.

O ápice da falta de atenção dada a esta mídia aconteceu em 2008. Desde abril não há atualização. Num ano eleitoral, a prefeitura deixou-o de lado. Talvez houvesse outras preocupações. O fato é que o sítio nunca foi utilizado para servir efetivamente ao cidadão.

Transparência dos mais diversos assuntos da administração não foi a tônica. O cidadão não teve fácil acesso, portanto, à detalhes do orçamento municipal, de editais, licitações e obras, de contratações e nomeações, do organograma, de projetos de secretarias, de decretos e leis e de transferências de verbas por parte dos governos federal e estadual. O poaense também não teve direito ao acesso à serviços, como impressão de boletos, informações sobre taxas, multas, cadastros, requirementos ou certidões.

O novo prefeito, Francisco Pereira de Souza, o Testinha (PDT) encontrou o sítio nessas condições mas até o momento sua equipe não promoveu alterações ou qualquer atualização. Entre as muitas ações a serem promovidas pelo novo governante deve estar também o sítio, pois ele é um importante instrumento da democracia, no sentido de propiciar fácil acesso a detalhes da administração. Mais que direito do cidadão, é dever constitucional do governante publicizar ações do governo. Está em tempo então de a prefeitura ativar este meio de comunicação e facilitar a vida do cidadão, garantindo acesso rápido a informações e a serviços.

REGIÃO

As prefeituras de Mogi das Cruzes, Suzano, Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos mantém sítios atualizados. Neles diversos serviços são oferecidos aos munícipes e informações sobre a administração são divulgadas. Os de Mogi e de Suzano são os mais completos. No primeiro há serviços sobre dívidas, consulta sobre processos, multas, IPTU, editais e licitação. O segundo apresenta notícias sobre ações do governo, divulga a estrutura administrava, finanças, além de um sistema "Fale Conosco".

Embora em menor quantidade, os sítios de Ferraz e Itaquá também disponibilizam notícias e opções "on line" de serviços ao cidadão. Em Poá, no entanto, até o sítio da Câmara Municipal está fora do ar.

15 abril, 2009

GERAÇÃO DE EMPREGOS CONTRA CRISE

Em um período no qual os efeitos da crise econômica são fortemente sentidos pelos trabalhadores, estratégias governamentais que auxiliem na geração de empregos são essenciais. A prefeitura de Poá deu o primeiro passo nesse caminho com a criação da Frente Municipal de Trabalho.


Alguns poaenses terão os efeitos da crise minimizados através da participação na frente de trabalho. Milhares de pessos inscreveram-se, o que mostra a necessidade da criação das vagas. As funções abertas são para profissionais de baixa qualificação e será oferecido um salário mínimo.

Um item, no entanto, precisa ser levado com a seriedade exigida. Os trabalhadores deverão fazer cursos oferecidos pela prefeitura. Essas atividades, em diversas frentes de trabalho, não correspondiam a seu objetivo: qualificar trabalhadores. Os cursos eram de baixa qualidade, de períodos curtos, sem projeto pedagógico eficiente. Os cidadãos terminavam, portanto, sua participação nas frentes e não obtinham qualificação necessária para alcançar vagas no mercado de trabalho.

Exige-se, assim, que a prefeitura, desta vez, ofereça cursos que qualifiquem realmente os trabalhadores. Não ocupem somente um período da jornada de trabalho, mas contribuam efetivamente para a formação do trabalhador e auxilie-o na buscas de vagas.


DISPENSAS


Entre novembro e janeiro, foram quase 800 mil demissões de profissionais com carteira assinada. Maior número de desempregados contribui para o círculo vicioso negativo que desacelara a economia. Em síntese, o trabalhador dispõe de menor poder aquisitivo, o que diminue o consumo e que gera como consequência uma menor produção, que por sua vez leva a novas demissões.

Por Leandro de Jesus

DITADURA EM POÁ?

Na última semana, foi anunciada a segunda alteração em cargo de alto escalão na prefeitura de Poá, com apenas 3 meses da nova administração. O Diretor de Turismo, Aessio Ramos Pinto, foi demitido. A dispensa, que deveria ser apenas uma atitude da burocracia municipal, está envolta de mistério, pois oficialmente não foram divulgados os motivos.

Aessio Ramos é conhecido por sua colaboração com o jornal Novo São Paulo. No dia 4 de abril, nesse periódico, foram publicadas duras críticas contra atitudes do prefeito. Houve questionamentos a respeito de comprissos assumidos durante a campanha e não cumpridos até o momento, além de denuncia de funcionários fantasmas na administração.

Dias depois da publicação, houve a informação da dispensa. Diante disso, a prefeitura precisa divulgar quais foram os motivos para a demissão. Caso não faça, estará claro para a população que a motivação foi a repulsa às críticas públicas.

Se assim for confirmado, o perfil do prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha, estará mais que desenhado: um gestor que não admite críticas de subordinados e que censura a livre expressão da opinião de membros do governo. Práticas assim foram vistas em larga escala na ditadura militar brasileira (1964-1985).

A população aguarda posicionamento do prefeito diante desse fato, pois aparentemente não há outra motivação. Testinha agirá com autoritarismo assim como outros coronéis da cidade? Os munícipes esperam que não, mas aguardam ansiosamente respostas.

Por Leandro de Jesus

10 abril, 2009

A EDUCAÇÃO PÚBLICA AGONIZA

O governo de São Paulo divulgou ontem notas da avaliação SARESP (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) 2008. O dados ratificam a visão de um ensino público deficiente, de baixa qualidade, resultado de uma ineficaz política educacional implementada pelos governadores do PSDB.

Em todas as séries avaliadas (2ª, 4ª, 6ª, 8ª do Ensino Fundamental e 3º ano do E. Médio), a maioria dos estudantes não alcançou o conhecimento esperado, definido pela Secretaria de Educação. Os alunos do E.F. pioraram na avaliação de português, entre 2007 e 2008. Na 8ª série os índices são mais alarmantes. Do nível esperado, 82,5% não o atingiram em lingua portuguesa e 88,4% em matemática.

No ano passado, o número de alunos que não detinham conhecimento adequado de português na 8ª série foi 19% maior que em 2007. Na disciplina de matemática, houve uma melhora em todas as séries, exceto a 6ª, embora os resultados ainda sejam muito negativos. Assim também ocorreu no Ensimo Médio, cujas médias foram melhoradas, tanto em português quanto matemática, mas os índices são piores que os do E.F. Por exemplo, 88,4% dos alunos não tem conhecimehto esperado em matemática.

Avaliada pela primeira vez em 2008, Ciências também apresentou resultado muito ruim. Dos alunos avaliados, 82% apresentam domínio insuficiente ou parcial da disciplina.

De modo geral, pode-se afirmar que a política educacional estadual não produz resultados positivos. Provas são realizadas, bônus são dados aos profissionais, mas os índices continuam negativos. O governo decerto não ataca de forma correta o problema.

Segundo educadores ouvidos pela Folha de S.Paulo, o programa do governo precisa ser reestruturado, o sistema de ensino ser modernizado, as escolas deveriam ter uma fiscalização mais presente.

José Serra, contudo, avalia como positivo os dados. Não observa que determinada melhora em uma disciplina ou outra não consegue deixar a maioria dos alunos com conhecimento adequado.

Sabe-se que a melhora do ensino público ocorre somente ao longo de vários anos. Diante disso, tem-se certeza que a politica implementada no estado pelo PSDB é equivocada, para não dizer criminosa. Administrar SP desde 1995 e não produzir melhoras sensíveis na educação pública, retratra um real descompromisso com o povo paulista.

EDUCAÇÃO EM POÁ


Embora a avaliação seja realizada em alunos de escolas estaduais, a administração pública municipal tem o dever de se preocupar também. Parte do problema se deve ao aluno sair da rede municipal com deficiências no conhecimento.

Os alunos da cidade obtiveram média menor que o restante do Estado. Os da cidade de Itaquaquecetuba ficaram com a menor média entre as cidades da região. Poá e Itaquá estão sob a administração da Diretoria Regional de Itaquaquecetuba. A atual dirigente de ensino, Prof Rosânia Morroni, é, por sinal, filiada ao PSDB. Antes dela, o atual secretário de educação de Poá, Prof Carlos Humberto Martins (PDT) era quem dirigia a política regional.

O prof Humberto, apesar de qualificado para a função, precisar dar respostas à população através de projetos. O que se vê, no entanto, é o prefeito divulgar que vai construir escolas com piscinas. Seria este um projeto que revolucionaria a qualidade na educação poaense? Não dá para acreditar.

Precisa-se para uma melhor qualidade no ensino de professores efetivos, com dedicação integral; menor quantidade de alunos por sala; professores assistente; projetos sérios de reforço; acesso às tecnologias; laboratórios; busca de maior participação dos pais. Enquanto estes projetos não são colocados em prática, a educação agoniza e aguardamos o funeral.

Por Leandro de Jesus.

Publ01